19/1/20
 
 
Venezuela. Guaidó anuncia amanhã planos para entrada humanitária

Venezuela. Guaidó anuncia amanhã planos para entrada humanitária

AFP Ricardo Cabral Fernandes 17/02/2019 17:15

Mais de 600 mil pessoas já se inscreveram junto de forças da oposição venezuelana para serem voluntárias na entrada da ajuda humanitária

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, anunciará hoje os planos para fazer com que a ajuda humanitária norte-americana entre em território venezuelano. É o mais recente confronto entre Guaidó e o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pelo reconhecimento de facto de quem comanda os destinos da Venezuela. “Vamo-nos organizar em brigadas”, disse Guaidó, sem, no entanto, dar mais pormenores. 

Mais de 600 mil voluntários já se inscreveram junto das forças da oposição ao regime para desafiarem o bloqueio. Espera-se que a ajuda humanitária entre no país a 23 de fevereiro. 

O autoproclamado chefe de Estado deposita as suas esperanças nos militares venezuelanos, conhecidos por serem a espinha dorsal do regime de Maduro: “A mensagem que temos de passar às forças armadas é a de terem uma semana para fazerem o que está certo. Vão ficar ao lado das vossas famílias e povo ou dou usurpador que continua a mentir?”. 

No sábado, um avião norte-americano com “ajuda humanitária” aterrou na cidade colombiana de Cúcuta, bastante próxima da fronteira com a Venezuela. Foi o segundo carregamento nos últimos dias. “É uma mensagem para a Venezuela de que estamos a apoiar as suas necessidades humanitárias”, disse o secretário de Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, no sábado.

Entretanto, os militares venezuelanos, numa tentativa de impedir a entrada da ajuda humanitária, bloquearam uma ponte que faz a ligação com a fronteira colombiana usando camiões e contentores. 

Maduro acusa os Estados Unidos e Guaidó de prepararem uma “intervenção militar disfarçada de ajuda humanitária” para roubar os seus recursos naturais, nomeadamente os hidrocarbonetos. “Estão-se a preparar para tomar conta da Venezuela”, disse Maduro em entrevista à CNN, referindo tratar-se de uma “guerra política” encetada pelo “império dos Estados Unidos”. Em reação, o chefe de Estado ordenou a “criação imediata de um plano” para manter as forças armadas mobilizadas contra ameaças externas. Não se sabe o que as forças armadas farão quando a “ajuda humanitária” tentar entrar no país. 

Ontem, a Rússia instou as Nações Unidas a convocarem um diálogo sobre a situação política na Venezuela para se ultrapassar o impasse político sem a interferência de potências estrangeiras. “Se invocar o direito internacional, a situação na Venezuela é um assunto interno e a comunidade internacional deveria instar os venezuelanos a encontrarem uma solução entre eles”, disse o ministros dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×