16/9/19
 
 
Críticas a Marcelo. “Há uma grande confusão entre o Estado e a Igreja”

Críticas a Marcelo. “Há uma grande confusão entre o Estado e a Igreja”

Beatriz Martinho 29/01/2019 18:41

A ida do Presidente da República para o Panamá para assistir às Jornadas Mundiais da Juventude gerou críticas. O fundador do PS Alfredo Barroso afirmou que Marcelo “deve ter-se esquecido” que o Estado português é laico

 

Marcelo Rebelo de Sousa, que sempre se assumiu como católico, não escondeu o entusiasmo quando foi anunciado que as Jornadas Mundiais da Juventude de 2022, o maior evento católico organizado pelo Vaticano e que conta sempre com a presença do Papa, se vão realizar em Portugal. Mas há quem não veja com bons olhos a ligação entre o Presidente da República e a religião católica e fale mesmo numa “confusão entre o Estado e a Igreja”.

É o caso do fundador do PS Alfredo Barroso, que, através de uma publicação no Facebook, deixou duras críticas a Marcelo. O socialista acusou o Chefe de Estado de viajar “por dá cá aquela palha”, de acordo com o seu “exclusivo interesse pessoal”. “No caso concreto da viagem ao Panamá, para participar nas Jornadas Mundiais da Juventude Católica organizadas pelo Vaticano, Marcelo deve ter-se esquecido de que o Estado democrático português é um Estado laico, não confessional, independentemente de a maioria dos portugueses ser católica (não praticante)”, justificou.

No domingo, na missa de encerramento do encontro dos jovens católicos, o prefeito Kevin Joseph Farrell, responsável pela organização do evento, anunciou que Portugal foi escolhido como o destino da próxima edição, realizada em 2022. Presente na missa, Marcelo Rebelo de Sousa, demonstrou “alegria” com a escolha de Lisboa, destacando que a língua portuguesa falada em todo o mundo pesou na decisão. “Acho que nós conseguimos, conseguimos todos, conseguimos nós portugueses, conseguiram naturalmente os católicos de Portugal, conseguiram os bispos católicos, conseguiu D. Manuel Clemente, cardeal-patriarca de Lisboa, mas conseguimos nós todos como povo e conseguimos nós que falamos português”, assinalou.

Para Alfredo Barroso, as declarações do Presidente da República traduziram-se num “lamentável espectáculo de beatice incontrolável” e revelam uma “grande confusão entre o Estado e a Igreja”. “Marcelo fala indevidamente em nome de todos os portugueses, mesmo dos que não são católicos, num evento exclusivamente católico organizado pela Igreja Católica Apostólica Romana. Só posso apoiar os protestos dos ateus que não legitimaram Marcelo para os representar em eventos exclusivamente católicos”, escreveu.

A Associação Ateísta Portuguesa (AAP) também repudiou a deslocação do Presidente da República às Jornadas Mundiais da Juventude, no Panamá, considerando “um grave atentado à neutralidade religiosa do Estado laico”.

“Participar em jornadas da Juventude, onde manifestamente a idade não o recomenda, ir à missa e assistir à benzedura de um templo católico, é um assunto que a AAP ignoraria se o enviado fosse um membro da Conferência Episcopal, mas que considera um grave atentado à neutralidade religiosa do Estado laico, quando perpetrado pelo Presidente da República”, pode ler-se no comunicado da associação.

O anúncio na página oficial da Presidência da República, adianta a AAP, “convenceu a associação de que é de caráter oficial a viagem, atitude que, a ser assim, merece o seu maior repúdio por ser em representação do país”.

A Associação Ateísta Portuguesa afirma ainda que não se revê nas frequentes manifestações de fé que o Presidente da República explicita publicamente e “lamenta a reincidência de Sua Excelência em manifestações pias, que ofendem gravemente a laicidade do Estado comprometem a neutralidade religiosa a que Constituição obriga”. “Sem perda do respeito que é devido ao Presidente, a AAP sente-se profundamente ofendida quando o vê de joelhos ou curvado perante o clero de qualquer religião. O país não é um bando de beatos e não merece tal ofensa” acrescenta.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×