16/9/19
 
 
Crédito sobe. Bancos emprestaram quase 44 milhões por dia

Crédito sobe. Bancos emprestaram quase 44 milhões por dia

João Biscaia Sónia Peres Pinto 12/12/2018 16:32

Mesmo com regras mais apertadas, só no crédito à habitação foram concedidos 811 milhões em outubro. A este valor é preciso somar 397 milhões para consumo e 154 milhões de crédito para outros fins.

Os bancos voltaram a abrir os cordões à bolsa no que diz respeito à concessão de crédito. Pela primeira vez desde que entraram em vigor as recomendações do Banco de Portugal (BdP), em julho, as novas operações aumentaram tanto no crédito à habitação como no consumo. Só no mês de outubro foram concedidos 1362 milhões de euros nestas duas categorias, o que dá uma média de quase 44 milhões de euros concedidos por dia.

 Só no crédito à habitação, os bancos emprestaram 811 milhões de euros em outubro, o que representa um aumento face aos 790 milhões de euros concedidos no mês anterior. Já desde o início do ano, as novas operações de crédito à habitação ultrapassaram os 8100 milhões de euros, o que representa um aumento de 21,7% face a igual período do ano passado. Trata-se do valor mais elevado desde 2010.

Também a concessão do crédito ao consumo não ficou alheia a esta tendência. Só em outubro, os bancos emprestaram 397 milhões de euros, uma subida face aos 353 milhões de euros registados no mês anterior. No acumulado desde janeiro, as novas operações totalizam 3882 milhões de euros, uma subida de 14% em termos homólogos.

Quanto ao crédito para outros fins, as novas operações de outubro ascenderam a 154 milhões de euros, tal como no mês anterior. Nos primeiros dez meses foram concedidos 1494 milhões de euros – ainda assim, uma redução face aos 1632 milhões de euros concedidos em igual período de 2017.

Em relação às empresas, foram concedidos 2544 milhões de euros em outubro, mais do que os 2110 milhões de euros emprestados no mês anterior. No acumulado do ano, foram emprestados mais de 25 mil milhões de euros, um aumento de 10,9% em relação a igual período de 2017.

 

Regras apertam

As novas recomendações do BdP têm como objetivo limitar a concessão de crédito por parte das instituições financeiras de forma a que as famílias apenas gastem metade do seu rendimento com empréstimos bancários e também que os bancos não assumam riscos excessivos nos novos créditos, garantindo que os clientes tenham capacidade de pagar as dívidas. Essa cautela foi entretanto assumida pelo secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, ao chamar a atenção para o facto de os bancos deverem ter cautela na concessão de crédito, especialmente ao consumo, para não pôr em causa o trabalho feito para tornar as instituições mais sólidas, e pediu “vigilância”.

Estas limitações surgiram depois de o Banco de Portugal ter admitido no início de junho, no Relatório de Estabilidade Financeira, que há “alguns sinais” de sobrevalorização dos preços do imobiliário, embora limitados.

Para já, estas regras são apenas uma recomendação – ainda que os bancos que não as cumpram tenham de se explicar –, mas, em maio, o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, avisou no parlamento que, se os bancos não as respeitarem, poderão passar de recomendações a ordens vinculativas.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×