23/10/19
 
 
Japão. Mais duas universidades alteravam resultados para prejudicar candidatas

Japão. Mais duas universidades alteravam resultados para prejudicar candidatas

AFP Jornal i 12/12/2018 12:46

Os casos da Universidade de Juntendo e a Universidade de Kitasato juntam-se à da Universidade de Medicina de Tóquio, denunciado há meses atrás

A Universidade de Medicina de Tóquio, no Japão, não foi a única a manipular os resultados dos exames de entrada nos cursos de medicina para favorecer os candidatos masculinos, descendo-lhes a fasquia de admissão e elevando as das candidatas femininas. Sabe-se agora que outras duas universidades, a Universidade de Juntendo e a Universidade de Kitasato, fizeram o mesmo, trazendo novamente a discriminação sexista para o debate público. 

"As mulheres amadurecem mentalmente mais rápido que os homens e as suas capacidades de comunicação são mais altas na altura em que fazem os exames", justificou o reitor da Universidade de Juntendo, Hiroyuki Daida, ao jornal japonês "Asahi", citado pelo "Guardian". "Em alguns casos, esta medida foi para ajudar os candidatos masculinos". 

O reitor também referiu que os dormitórios femininos não têm as condições materiais para alojarem tantas candidatas, daí a fasquia mais elevada. Todavia, as argumentações não estão a convencer, obrigando o presidente da Universidade de Juntendo, Hajime Arai, a pedir publicamente desculpas: "Naquele tempo, julgámos que a medida era razoável nos critérios da nossa universidade. Vamos terminar com a prática agora que foi apontada como inapropriada". A manipulação de resultados começou em 2008. 

Recorde-se que quando o caso da Universidade de Medicina de Tóquio foi revelado a argumentação baseou-se no facto de muitas mulheres abandonarem a prática médica para se poderem dedicar aos filhos. Agora, a argumentação tem-se focado na capacidade acrescida das mulheres e em falta de condições das instalações universitárias. Mudança de argumentação que continua a não convencer grande parte da sociedade japonesa, obrigando ao fim da manipulação dos resultados de admissão. 

Após a divulgação do escândalo envolvendo a Universidade de Medicina de Tóquio, as restantes universidades japonesas recusaram as acusações de discriminação de mulheres e alterar os critérios de admissão - até investigadores independentes o refutarem, a que se somou o debate público. 

"Nunca estivemos envolvidos em práticas ilícitas como admissões manipuladas ou discriminação contra mulheres, mas fizemos alguns ajustamentos aos resultados dos exames entre os candidatos masculinos e femininos", disse uma fonte próxima da Universidade de Juntendo ao jornal japonês "Mainichi". 

O ministro da Educação japonês, Masahiko Shibayama, reagiu dizendo que "foi muito infeliz ter acontecido". "É suposto os exames de admissão sejam realizados de forma justa e adequada", disse. "Apelamos a todas e a cada uma das universidades que tomem medidas imediatas e que considerem a situação do ponto de vista dos estudantes". 

A manipulação dos resultados levou 24 mulheres a exigirem à Universidade de Medicina de Tóquio o pagamento de 100 mil yen (774 euros) por "danos emocionais", a que se soma as propinas para os exames e as despesas de viajem. 

Ainda que as mulheres sejam 43% da força de trabalho total no Japão, continuam a estar muito subrepresentadas em alguns setores profissionais, entre os quais medicina, segundo dados do Banco Mundial. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×