12/11/19
 
 
Lixo. Câmara de Sintra apreende carro que estava a depositar resíduos ilegais

Lixo. Câmara de Sintra apreende carro que estava a depositar resíduos ilegais

DR Tatiana Costa 28/11/2018 07:26

O i já tinha avançado, no mês passado, que a câmara estava a analisar os últimos detalhes para avançar com esta medida

A Câmara Municipal de Sintra apreendeu, através da Polícia Municipal, pela primeira vez, um veículo cujo o proprietário estava a preparar-se para depositar lixo de obras e entulho na via pública - considerado como um crime ambiental de deposição ilegal de lixos. O i já tinha avançado, no mês passado, que a autarquia estava a estudar os últimos detalhes para poder avançar com esta medida.

O caso ocorreu no passado sábado, quando a Polícia Municipal apreendeu uma carrinha no Alto do Forte, em Rio de Mouro - esta é uma zona usada com regularidade para este tipo de depósitos ilegais e já tinha sido assinalada como uma zona de vigilância prioritária, de acordo com a autarquia. 

As autoridades já estavam a observar o carro há algumas horas, até que decidiram aproximar-se do local. Quando o fizeram, os dois suspeitos fugiram. O veículo acabou por se apreendido ainda com uma parte do lixo e, até ao momento, as autoridades estão a tentar identificar os proprietários.

Basílio Horta, presidente da autarquia de Sintra, afirmou ao i que a “valorização do espaço público é um desafio que o município de Sintra assume em plenitude, mas precisa do contributo de todos os cidadãos”. 

O autarca disse ainda que com todos os serviços de recolha e depósito de lixo disponíveis “não é aceitável que alguns possam colocar em causa” o ambiente do município.

“Para conseguirmos um ambiente sustentável e um território que se valoriza como espaço das vivências e das dinâmicas das comunidades e da economia, precisamos que todos colaborem. Não são toleráveis comportamentos lesivos da nossa qualidade de vida e da imagem de Sintra”, adiantou.

O presidente da Câmara de Sintra explicou ao i que nos últimos anos têm sido feitos vários esforços “para melhorar a capacidade de resposta dos serviços de recolha de lixo”. E adiantou que, apesar de a produção de lixo da população ter aumentado, é preciso, além do “reforço da redução e da separação do lixo”, que os cidadãos passem a adotar “comportamentos adequados em benefício de todos”.

“O lixo é um problema de todos” e não é aceitável que algumas pessoas ainda não contribuam para a “qualidade do espaço público”, reforçou.

“Todos contam e os que insistem em não cumprir o mínimo de regras da convivência em comunidade e da utilização do espaço comum devem ser penalizados. Há mínimos. Quem deposita lixo ou monos em qualquer lugar não cumpre os mínimos”, completou.

De acordo com os dados revelados pela Câmara Municipal de Sintra, desde setembro - mês em que as operações de fiscalização sofreram um reforço - até domingo, dia 25 de novembro, foram aplicados 44 autos de contraordenação e já foram identificadas dezenas de pessoas e empresas. 

Neste tipo de crimes ambientais, as autoridades “podem apreender os instrumentos usados na respetiva prática”. Esses veículos serão restituídos “logo que haja sentença judicial que o determine”, explicou fonte da autarquia. Além disso, os infratores ficam sujeitos a uma coima, completou a mesma fonte.

Os números revelam também que desde setembro foram aplicadas coimas que já ultrapassam os 127 mil euros.
 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×