19/9/19
 
 
Frente antifascista criada em Braga para travar extrema-direita

Frente antifascista criada em Braga para travar extrema-direita

DR Joaquim Gomes 20/11/2018 14:34

Vasco Santos diz que esta frente pretende “agregar  o maior número possível de pessoas e associações”

Foi criada na cidade de Braga uma frente antifascista constituída por elementos ligados a várias associações, entre as quais o Movimento de Alternativa Socialista (MAS). Vasco Santos explicou ao i que esta “frente pretende agregar a partir de agora o maior número possível de pessoas, de associações e de partidos, que apoiem de facto esta luta pela democracia, contra a xenofobia, o racismo e o machismo, lutando contra o ascenso da extrema-direita, porque representa tudo quanto de mau existe na sociedade, havendo cada vez mais gente unida em nosso torno nesta luta antifascista”.

Ainda de acordo com Vasco Santos, de Barcelos, “apesar de ter nascido em Braga, a ideia é esta onda crescer em Portugal e não só, porque nós queremos agir de uma forma profilática, antes que em Portugal o fascismo tenha as dimensões como em outros países”.

Vasco Santos afirma “ser um problema que se arrastava no tempo e era preciso criar uma resposta, que já tem vindo a ser maturada e agora se corporizou nesta frente antifascista”.

O coordenador do Núcleo Antifascista de Braga, Jonathan da Costa Ferreira, afirmou ao i “haver já em Portugal grupos neonazis que são terroristas e inclusivamente até dispõem de bombas”, sendo “uma das principais razões” para criar a Frente Nacional Antifascista.

Jonathan da Costa Ferreira disse que “a extrema-direita está a crescer bastante em Portugal, com certos grupos bastantes perigosos, realmente perigosos, claramente armados, que não constituem nenhuma brincadeira, alguns são mesmo uns grupos terroristas, que nós temos identificados, que estão prontos a fazer tudo, por isso nós começamos a juntar-nos aqui”.

A primeira iniciativa pública da nova Frente Nacional Antifascista realiza-se a 1 de dezembro. Jonathan da Costa Ferreira salientou que será “um encontro para defender a democracia e a liberdade”, tendo sido escolhida a Praça Conde de Agrolongo [vulgo Campo da Vinha], no centro da cidade de Braga, garantindo que “o local não tem nada a ver com o facto de o PNR [Partido Renovador Nacionalista] estar lá por perto”. O partido de extrema-direita anunciou que irá realizar uma homenagem ao cónego Melo nesse dia.

As duas concentrações decorrerão a cerca de 200 metros uma da outra. Aquando do 10 de Junho do ano passado, chegaram a ensaiar-se confrontos em Braga, especialmente quando foi deitado ao lixo um emblema do Bloco de Esquerda, valendo a forte presença policial para evitar vias de facto.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×