19/9/19
 
 
França. Milhares protestam contra o "presidente dos ricos"

França. Milhares protestam contra o "presidente dos ricos"

AFP Ricardo Cabral Fernandes 18/11/2018 19:32

O aumento dos impostos pelo governo de Emmanuel Macron levou mais de 280 mil manifestantes às ruas francesas

Foi com barricadas nas estradas e ruas em França que mais de 280 mil manifestantes “coletes amarelos”, como se designam, responderam este fim de semana ao anúncio de aumento dos impostos dos combustíveis do presidente francês, Emmanuel Macron. Uma pessoa morreu no sábado e outras 400 ficaram feridas até ao final do dia de hoje, com pelo menos seis em estado grave, revelou o ministério da Administração Interna francês. A polícia francesa deteve 157 manifestantes e em alguns locais chegou a usar gás lacrimogéneo para os dispersar. Aeroportos, estradas principais, centros de cidades e autoestradas foram alguns dos locais das mais de duas mil manifestações contra o chefe de Estado francês. Hoje,  ruas e estradas francesas continuavam com manifestantes nas ruas. 

A única vítima mortal até ao momento aconteceu quando uma mulher que levava os seus filhos ao médico tentou passar por uma barricada, atropelando uma manifestante de 63 anos. “Parece que a mulher entrou em pânico, acelerou e atropelou uma pessoa que acabou por morrer”, explicou o prefeito de Pont-de-Beauvoisin, Louis Laugier, local onde aconteceu. Os feridos foram o resultado tanto do confronto com a polícia como de acidentes por veículos tentarem passar as barricadas.

A notícia da vítima mortal marcou as primeiras horas dos protestos, mas nem por isso os manifestantes deixaram de se fazer ouvir. “Demite-te Macron” e “dá-nos de volta o nosso poder de compra” foram algumas das palavras de ordem que se ouviram contra quem os manifestantes dizem ser “o presidente dos ricos”.

O governo de Macron avançou com o aumento de impostos ao consumo de combustíveis com, argumentou, a intenção de encorajar os condutores a abraçarem veículos menos poluentes, mas com a subida dos combustíveis no mercado global, em outubro, muitos franceses começaram a despender uma fatia maior dos seus rendimentos em deslocações. A situação é particularmente prejudicial para quem vive no interior e não pode escolher deslocar-se em transportes públicos por a rede pública ser fraca. 

“Pessoas de todas as origens sociais estão aqui por sermos todos afetados. Esperam que paguemos 30% a mais pelo combustível, mas se disser aos meus clientes que me vão pagar mais 30% a mais pelos produtos acham que estou a gozar. Já tivemos o suficiente”, explicou Cyrille Charton, vendedora de produtos agroalimentares. “Há simplesmente demasiados impostos em França”, complementou Veronique Lestrade, manifestante num protesto nos subúrbios de Paris, ao “Guardian”. 

O aumento do preço dos combustível parece ter sido apenas o rastilho para um descontentamento bem mais alargado contra Macron. Há 18 meses no cargo de chefe de Estado, a sua popularidade atingiu níveis históricos com o avançar das reformas laborais, permitindo, por exemplo, às entidades patronais despedirem com mais facilidade, e com os escândalos do seu segurança privado - o Benallagate - e de ter dito a um desempregado que lhe bastava atravessar a rua para lhe encontrar emprego, quando o nível de desemprego está nos 9% no país. Segundo uma sondagem do Ifop, apenas 29% dos inquiridos disseram estar satisfeitos com a governação de Macron. 

“Em 2017, votei com felicidade em Macron, mas ele está a gozar connosco”, disse Dominique Jouvert, de 63 anos, num protesto em Lyon, citada pela Reuters. “Não é possível ter qualquer debate com ele, nenhum diálogo, ele é arrogante”, acrescentou, garantindo que “não irá votar novamente” em Macron. 

O movimento dos “coletes amarelos” é inorgânico e organiza-se sobretudo nas redes sociais, discutindo notícias e convocando protestos. A sua força ultrapassou as expectativas e os líderes políticos, da extrema-direita, passando pela direita conservadora, e chegando à esquerda radical, foram céleres a apoiá-lo. Uns aderiram presencialmente aos protestos, tentando, ainda assim, não se destacar entre as multidões, enquanto outros apelaram aos manifestantes que não abandonem as barricadas. 

“O governo deveria deixar de ter medo dos franceses que expressa a sua revolta e que o fazem de forma pacífica”, escreveu no Twitter Marine Le Pen, líder da União Nacional, de extrema-direita. Já o presidente dos Patriotas, também de extrema-direita, Florian Philippot, apelou à “dissolução da Assembleia Nacional”, enquanto o vice-secretário-geral dos Republicanos, Geoffroy Didier, afirmou que a “mensagem de advertência” é “extremamente profunda”. Também Jean-Luc Mélenchon, líder do França Insubmissa, de esquerda radical, congratulou-se pelo “imenso momento de auto-organização popular”. 

Em contraste com os seus críticos, sejam de esquerda ou de direita, Macron, que está hoje em Berlim, Alemanha, tem-se remetido ao silêncio, com os seus mais próximos a dizerem que abordará publicamente o assunto no momento oportuno. Entretanto, há quem diga que o governo francês não irá inverter a “trajetória seguida” até aqui sobre os combustíveis, como foi o caso do ministro da Transição Ecológica, François de Rugy. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×