17/10/18
 
 
Azeredo Lopes não queria que as Forças Armadas fossem "desgastadas pelo ataque político"

Azeredo Lopes não queria que as Forças Armadas fossem "desgastadas pelo ataque político"

Diana Tinoco Jornal i 12/10/2018 17:55

O ministro da Defesa apresentou a demissão esta sexta-feira

Na carta de demissão enviada por Azeredo Lopes a António Costa, o ministro demissionário nega ter conhecimento “direto ou indireto” da operação de encobrimento do roubo das armas e avança que a decisão de se afastar pretende evitar que as Forças Armadas sejam “desgastadas pelo ataque político” que está a ser alvo.

"Não podia, e digo-o de forma sentida, deixar que, no que de mim dependesse, as mesmas Forças Armadas fossem desgastadas pelo ataque político ao ministro que as tutela", escreveu o ministro Azeredo Lopes, na carta de demissão a que a Lusa teve acesso.

Sobre o conhecimento da operação de encobrimento levada a cabo pela Polícia Judiciária Militar, Azeredo Lopes nega ter conhecimento "direto ou indireto, sobre uma operação em que o encobrimento se terá destinado a proteger o, ou um dos, autores do furto".

A decisão de abandonar o governo, anunciada esta sexta-feira, teve como objetivo “não perturbar” as negociações do Orçamento do Estado para 2019.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×