18/9/18
 
 
US Open. Djokovic supera a Torre de Tandil e afina a mira para o regresso ao topo (com vídeo)

US Open. Djokovic supera a Torre de Tandil e afina a mira para o regresso ao topo (com vídeo)

Twitter Bruno Venâncio 10/09/2018 15:09

O sérvio somou o 14.º Grand Slam da carreira (igualou Pete Sampras) ao bater Del Potro e está de volta ao top-3 mundial mais de um ano depois

É oficial: o melhor Novak Djokovic está de volta. Aos 31 anos, e depois de uma operação ao cotovelo que o afastou da competição durante vários meses, o sérvio regressou às grandes conquistas no Masters 1000 de Cincinnati, onde se tornou o primeiro tenista de sempre a vencer todos os torneios da categoria, e prolongou o registo vitorioso no US Open, ao bater o argentino Juan Martín Del Potro numa final impressionante: 6-3, 7-6 (4) e 6-3, com duração de 3h16m e um dos sets (o segundo) mais longos do ano: 95 minutos!

 

Grand Slam Title No.14 🤩

Congratulations, @DjokerNole 🙌#USOpen pic.twitter.com/U1cN51SUE4

— Tennis TV (@TennisTV) 9 de setembro de 2018

 

O encontro mereceu inclusive a admiração de personalidades famosas de outros circuitos, como foi o caso da multi-galardoada atriz norte-americana Meryl Streep, incapaz de esconder o nervosismo com o decorrer da partida, ou Jerry Seinfeld, conhecido humorista:

 

And the award for best performance by a fan in a leading role goes to...

🏆🙀🎞🎥#USOpen pic.twitter.com/MRpcV99pNa

— US Open Tennis (@usopen) 9 de setembro de 2018

🎤 “What’s the deal with tiebreaks?”@JerrySeinfeld 🤔😝#USOpen pic.twitter.com/AwSWUFzhAf

— US Open Tennis (@usopen) 9 de setembro de 2018

 

No fim do encontro, Del Potro não conseguiu conter as lágrimas, ele que está igualmente de regresso ao melhor nível após um longo calvário de lesões. O argentino, que completa 30 anos no próximo dia 23, acabou confortado por Djokovic, com os dois campeões a trocarem elogios nos respetivos discursos após o fim da competição.

 

Del Potro’s sobbing and I just can’t even. #USOpen pic.twitter.com/Xb5v10hOGS

— sunde white (@sundewhiteart) 9 de setembro de 2018

Eres um gigante, @delpotrojuan pic.twitter.com/kbx7ovYaNq

— BreakPointBR (@BreakPointBR) 9 de setembro de 2018

Champions ❤️#USOpen @DjokerNole @delpotrojuan pic.twitter.com/mn1dD0lQTv

— Tennis TV (@TennisTV) 9 de setembro de 2018

 

Esta foi a terceira conquista do último Grand Slam da temporada para Djokovic, depois dos triunfos em 2011 e 2015. Djoko soma agora 14 títulos de Grand Slam, igualando o lendário Pete Sampras e estando apenas atrás de Roger Federer (20) e Rafael Nadal (17). Com o título em Flushing Meadows, Djokovic ascendeu do sexto ao terceiro lugar da hierarquia mundial, precisamente por troca com a Torre de Tandil, e acalenta agora legítimas aspirações a terminar o ano no topo do ranking: dada a inatividade em igual período do ano passado, não tem pontos a defender, ao contrário de Nadal e Federer. Um cenário quase idílico para o homem que chegou a sair dos 20 primeiros do ranking na primeira metade de 2018, quando viveu a pior série de derrotas da carreira.

O novo top-10 mundial:

1 – Rafa Nadal

2 – Roger Federer

3 – Novak Djokovic

4 – Juan Martin Del Potro

5 – Alexander Zverev

6 – Marin Cilic

7 – Grigor Dimitrov

8 – Dominic Thiem

9 – Kevin Anderson 

10 – John Isner

Realce ainda para a subida de 19 lugares de João Sousa, que lhe vale o regresso ao top-50: o tenista português, que fez história nos Estados Unidos ao tornar-se o primeiro luso a apurar-se para os oitavos-de-final de um torneio do Grand Slam, passou do 68.º para o 49.º posto do mundo.

 

Serena-Ramos sem fim à vista A final entre Djoko e Delpo teve o condão de afastar os holofotes da polémica Serena Williams-Carlos Ramos... mas só por umas horas. Assim que a poeira de Flushing Meadows assentou, o tema do momento voltou à baila, e com mais críticas para com o árbitro português. Steve Simon, diretor da WTA (associação de ténis feminino), considerou que o incidente “levantou a questão de diferentes padrões serem aplicados às mulheres e aos homens no que respeita à arbitragem dos encontros”, pedindo que “todos os jogadores sejam tratados de forma igual” e considerando que esse não foi o caso.

pic.twitter.com/4IRHbEtKTo

— WTA (@WTA) 10 de setembro de 2018

Uma posição corroborada por Katrina Adams, presidente da Federação norte-americana de ténis. “Tem de haver consistência, porque vemos os homens fazer isto a toda a hora e não são penalizados. Talvez a Serena tenha ido um pouco longe de mais, mas dar-lhe um jogo de penalidade por lhe chamar ladrão? Eles já foram chamados de muito pior”. Ele devia ter tido bom senso e avisá-la: ‘Serena, se continuares assim, vou ter de agir.’”, realçou a antiga tenista.

O próprio Djokovic, também ele dono de um historial de despiques com Carlos Ramos, considerou que as intervenções do árbitro luso foram “desnecessárias” e “mudaram o rumo da partida”, mas acabou por pedir “compreensão” e “empatia” dos tenistas para com o juiz.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×