21/11/18
 
 
Horário único. Conta da luz pode subir e consumo também

Horário único. Conta da luz pode subir e consumo também

DR Sónia Peres Pinto 09/09/2018 12:15

Observatório Astronómico de Lisboa diz que custos com mudanças de hora são relativamente pequenos e são em média inferior a 1%. Há quem defenda que o consumo pode aumentar

Portugal ainda não se pronunciou sobre o fim de horários distintos no inverno e no verão, ao contrário da vizinha Espanha que já mostrou o seu apoio. Mas uma coisa é certa: a avançar só irá entrar em vigor entre 2020 e 2021 e inevitavelmente vai ter impacto na energia, o que acabará por se refletir nas faturas de luz a pagar pelas famílias portuguesas ainda que de forma marginal. E não só. Também as empresas e a indústria serão afetadas. Mas de acordo com um relatório do Observatório Astronómico de Lisboa, os custos com as mudanças de horário são relativamente pequenos e são em média inferiores a 1%. “Apesar de ser um aspeto positivo    [a mudança para o horário de verão] deixou de ser um objetivo fundamental, passando a ser uma expectativa que está em harmonia com a política de conservação de energia, dos estados-membros da União Europeia”, diz o documento. 

E de acordo com um estudo realizado pela International Association for Energy Economics, a poupança energética nos dias de verão é de 0,34%, sendo esta redução mais acentuada nos países que ficam mais longe da linha do Equador, como é o caso do norte da Europa.

Por outro lado, pode contribuir para um aumento do consumo. Segundo Michael Downing, autor do livro Spring Forward: The Annual Madness of Daylight Saving Time revelou numa entrevista à NPR, “o horário de verão aumenta o consumo de gasolina. Além disso, as pessoas saem e gastam dinheiro. Esta tem sido uma política de gastos longa e tremendamente eficaz. As lojas de centro comercial adoram o horário de verão”.

Até aqui as disposições atuais relativas à hora de verão na União Europeia exigem que os relógios sejam alterados duas vezes por ano, para ter em conta a evolução dos padrões de luz do dia e tirar partido da luz do dia disponível num dado período. Com isto, todos os países-membros mudam para a hora de verão no último domingo de março e mudam para a hora de inverno no último domingo de outubro, de modo a manter uma harmonização do horário em todo o espaço da União Europeia. Uma regra que pode ter os dias contados.  

Jean-Claude Juncker justificou as alterações com os “milhões de cidadãos [que] disseram que não querem continuar a alterar o relógio”, numa consulta popular feita online por Bruxelas. No entanto, caberá a cada país a fixação da hora, uma vez que, é uma competência nacional e não comunitária.

Um argumento que não convence o diretor do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), Rui Agostinho ao admitir que tem dúvidas em relação às vantagens em acabar com a tradição da mudança da hora. “Nunca foi feito um estudo científico profundo sobre o comportamento da economia, do trânsito, os negócios, dos transportes e acidentes de viação, em função da mudança da hora”, refere, lembrando que, independentemente dessas mudanças no espaço europeu, vai continuar a existir a mesma hora relativa. “Quando Portugal muda a hora, a Hungria também muda. Se a hora muda para todos os países da União Europeia, as bolsas de valores continuam a trabalhar na mesma hora relativa”, salienta. 

O  que é certo é que a maior parte da população mundial mantém, não muda os relógios. Na Ásia, apenas o Irão, Israel, Líbano, Síria, Jordânia e Turquia o fazem (estão de fora gigantes como a China e a Índia, por exemplo). Em África, só Marrocos. Nas Américas, é igualmente uma minoria: EUA, Canadá e México, sim; na América do Sul, são muito menos os que adiantam e atrasam a hora (ver casos ao lado).

 Por cá e independentemente dos argumentos prepare-se para a mudança da  hora já a 28 de outubro. Nesse dia o relógio atrasa 60 minutos e às três da manhã serão, afinal, duas da manhã.

 

Experiência portuguesa

Em 1992, o governo, na altura liderado por Cavaco Silva, adotou o horário da Europa central, mas a opção foi muito criticada ao ponto de se ter comentado na altura que “os portugueses andavam às avessas com o sol”.

Nesses anos, no inverno, o sol nascia muito tarde e, no verão, era de dia até depois das 22h. Mas para o governante a explicação era simples: Portugal deveria acertar a hora com outros países europeus para melhorar contextos negociais. De acordo com Cavaco Silva, este regime horário facilitou as comunicações e os transportes internacionais. 

Uma situação que chegou ao fim, em 1996 já com António Guterres no governo, classificando este episódio como um “disparate cavaquista”. 

 

Sempre de noite ou sempre de dia

Mas se há países, como em Portugal, em que é possível escolher ou não a mudança de hora. Há outros em que há alturas em que é sempre noite ou sempre dia. O sol da meia noite é um fenómeno natural que ocorre nos meses de verão em localidades a norte do círculo polar ártico e a sul do circo polar antártico quando o sol continua visível à meia noite. Perto do solstício de verão, o sol brilha continuamente durante 24 horas se o tempo estiver bom. Quanto mais perto estiver dos polos, maior é a quantidade de dias do ano com luz contínua.

E o contrário acontece no inverno com a “noite polar” a prolongar-se por 24 horas. Tal como o “sol da meia noite”, a “noite polar” deve-se também à inclinação do planeta. No inverno, “a noite polar” chega quando o hemisfério norte se encontra mais longe do sol, sendo as regiões polares mais setentrionais, as zonas do planeta mais afastadas do sol e as regiões a que o resto do planeta faz sombra.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×