16/11/18
 
 
Drones. Reportados 16 incidentes no primeiro semestre do ano

Drones. Reportados 16 incidentes no primeiro semestre do ano

Edilson Coutinho 22/08/2018 20:41

Entre janeiro e junho de 2018, a Autoridade Nacional de Aviação Civil instaurou dois processos contraordenacionais

 

Há muito que os drones (veículos aéreos não tripulados) não são uma novidade em Portugal e à medida que aparecem mais aparelhos e mais sofisticados, a frequência dos incidente tende a aumentar. Apesar de o regulamento da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) - que proíbe o voo de drones a mais de 120 metros de altura e nas áreas de aproximação e de descolagem dos aeroportos - estar em vigor desde o dia 13 de janeiro de 2017, as ocorrências perto destas zonas continuam a verificar-se.

No início desta semana, um drone que sobrevoava o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, caiu na pista e interrompeu as operações aeroportuárias durante oito minutos. O dono do aparelho é um fotógrafo profissional que perdeu o controlo do veículo aéreo não tripulado, no decorrer de um trabalho para uma imobiliária, avançou fonte policial à Lusa. 

Os factos foram transmitidos ao Ministério Público (MP), no sentido de abrir uma investigação do possível crime de “atentado à segurança de transporte por ar, água ou caminho-de-ferro”, previsto no Código Penal. A pena pode ir de um a dez anos de prisão. Para já, o fotógrafo foi constituído arguido e sujeito a uma medida de coação de termos de identidade e residência.

Outro incidente num aeroporto português ocorreu na última quinta-feira, no Porto, onde a suspeita de que um drone tinha entrado no espaço aéreo restrito do Aeroporto Francisco Sá Carneiro obrigou a suspender os serviços de descolagens e aterragem durante 40 minutos. 

Panorama nacional

Desde janeiro a junho de 2018, a ANAC já reportou 16 incidentes com drones e instaurou dois processos contraordenacionais.

Em 2017, o regulador do setor comunicou 37 incidentes com drones - 36 pela aviação civil e um por um avião militar -, instaurou 15 processos contraordenacionais e apresentou nove denúncias junto do MP.

A violação do regulamento da ANAC constitui uma contraordenação aeronáutica civil grave ou muito grave e pode resultar numa multa que oscila entre 300 e 7500 euros, além da inibição temporária ou apreensão dos aparelhos.

No último mês, foi aprovado em Conselho de Ministros o decreto-lei que obriga o registo dos veículos aéreos não tripulados acima dos 250 gramas de peso e a fazer um seguro de responsabilidade civil para os que ultrapassam as 900 gramas. Apesar das medidas para alertar os donos dos drones, as infrações continuam a dar dores de cabeça às autoridades.

Drones optimizam ações

Nem tudo o que se relaciona com os drones é, no entanto, motivo de preocupação. Além das imagens aéreas a que as pessoas já estão habituadas, a tecnologia pode ser utilizada com outros fins que auxiliam a intervenção humana.

Desde segunda-feira, a praia de Santo Amaro de Oeiras, por exemplo, é a primeira em Portugal a dispor de um drone salva vidas. O aparelho - que está equipado com uma boia e consegue salvar até quatro pessoas de cada vez - vai estar em permanência na praia.

Estes aparelhos podem ainda ser utilizados para patrulhar a costa - onde ajudam as autoridades no combate ao contrabando de drogas e à pesca ilegal; apoiar a agricultura; ou transportar medicamentos - esta medida já foi aprovada pelo Infarmed, uma vez que a medicação é levada num recipiente específico, capaz de preservar a temperatura e a humidade.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×