19/9/18
 
 
José Cabrita Saraiva 21/08/2018
José Cabrita Saraiva
Opiniao

jose.c.saraiva@newsplex.pt

Um ataque de amnésia tremendo

Só mesmo alguém muito ingénuo poderia acreditar que, ao assumir a presidência do Eurogrupo, Mário Centeno iria operar uma revolução nas políticas económicas europeias. Aquilo que aconteceu foi o previsível: assim que chegou a Bruxelas, o ministro das Finanças vestiu o fato de perigoso tecnocrata e não deu margem para quaisquer veleidades de relaxamento das metas do défice. Por outras palavras, Centeno limitou-se a dar continuidade às políticas do seu antecessor, o tão vilipendiado holandês Jeroen Dijsselbloem.

Ontem, o ministro português voltou a irritar a esquerda, ao protagonizar um vídeo em que fala candidamente sobre os méritos da austeridade na Grécia. Quem diria que um alto responsável do Partido Socialista, que tanto vociferou contra a Troika (embora tenha sido um governo seu a chamá-la), acabaria por vir admitir que as medidas impostas ao povo grego afinal não apenas eram necessárias como deram excelentes resultados?

Um dos mais agressivos no ataque a Centeno foi João Galamba. “Um vídeo lamentável que apaga o desastre que foi o programa de ajustamento grego e branqueia todo o comportamento das instituições europeias”, escreveu no Twitter.
Este comentário de quem sempre defendeu o PS com unhas e dentes pode ter algo de surpreendente. Mas a verdade é que desde que deixou de ter um lugar de relevo no PS de António Costa, muitas vezes Galamba parece mais alinhado com o Bloco de Esquerda do que com o seu próprio partido.

Quanto ao vídeo, não creio que branqueie ou apague nada: é simplesmente ridículo. Só mesmo alguém muito fora da realidade pode querer transformar um programa de ajustamento naquilo que poderia ser uma apresentação destinada aos “contentinhos” da Web Summit. Mas Mário Centeno não deve estar apenas afastado da realidade. Deve estar também com um ataque de amnésia tremendo.
 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×