20/9/18
 
 
Absurdo até para a época

Absurdo até para a época

AFP António Rodrigues 20/08/2018 21:19

Aqui se fala de um jardim zoológico egípcio que quis inventar uma nova espécie de zebra, a pintada à brocha

A maioria das crianças adoram ir ao jardim zoológico ver os animais. O fascínio pelos bichos estende-se até além dos mais novos e a ida familiar pode transformar-se numa aventura para todos. Isto se os dados não estiverem viciados à partida e não se resumir tudo a um embuste. Não sendo neste caso vender gato por lebre, mas burro por zebra.

Partindo do pressuposto de que toda a gente é asno que não distingue uma espécie de outra, um zoo egípcio resolveu pintar um burro e chamar-lhe zebra, esperando que ninguém desse pela diferença. Mas o ridículo não tardou a ser desmascarado, com o estudante Mahmoud Sarhan a partilhar no Facebook uma fotografia que não deixa margem para dúvidas: não só se trata de uma “zebra” com orelhas particularmente longas como a tinta até está ligeiramente desbotada na cabeça.

A direção do jardim apressou-se a desmentir que estava a tomar toda a gente por burros e garantiu que se tratava de zebra genuína, dessas que costumam correr soltas pelas savanas africanas ou presas num zoológico perto de si - o diretor, Mohamed Sultan, garantiu-o mesmo a pés juntos numa entrevista à rádio Nogoum FM, diz a BBC.

Mas isto das redes sociais tem que se lhe diga e a imagem tornou-se viral, congregando até opiniões de especialistas que falam de listas falsas. E vão mais longe: o Jardim Internacional do Cairo tem duas “zebras” e nenhuma delas verdadeira, explicou um veterinário contactado pela Extranews.tv.

Mas esta não é a primeira vez que um jardim zoológico é apanhado a tentar enganar os incautos com burros listados de zebras. No entanto, a justificação do jardim zoológico de Gaza é mais plausível, porque como a Faixa de Gaza está bloqueada pelo exército israelita, os responsáveis do zoo não conseguiram importar as zebras de que precisavam.

Pelo menos, burros pintados sempre é melhor que aquilo que outro zoo de Gaza fez, em 2012 - à falta de melhor, resolveu recorrer a animais embalsamados para suprir a falta de animais vivos, naquilo que poderá ser considerado como o primeiro jardim zoológico desanimado do mundo.

Os chineses também são useiros e vezeiros nesta história de enganar visitantes: desde a fixação dos jardins zoológicos de Guangxi por animais de plástico - um deles exibiu borboletas de plástico, outro pinguins insufláveis - ao caso mais curioso de um jardim zoológico da província de Henan que tentou fazer passar um exemplar de cão mastim tibetano por um leão.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×