20/9/18
 
 
Caos no 112. Em 8 horas mais de 170 chamadas ficaram sem resposta

Caos no 112. Em 8 horas mais de 170 chamadas ficaram sem resposta

Miguel Silva Carlos Diogo Santos 07/08/2018 08:52

Nas madrugadas de amanhã, quinta e sexta feira só estão escalados três elementos do 112 para responder a metade do país

São centenas as pessoas que ligam para o 112 e perante a falta de resposta acabam por desistir. E alguns dos que finalmente conseguem falar com os operacionais que estão na central Sul, que serve nove distritos, chegam a queixar-se de estar entre 15 e 20 minutos à espera. Nas instalações de Oeiras – que desde abril passou a responder também às chamadas de Lisboa – o caos está instalado.

Dados a que o i teve acesso revelam mesmo que no último domingo, em que estava ativo o incêndio de Monchique, entre as 16h e os 00h houve mais de 173 chamadas que acabaram por ser desligadas (ou abandonadas, como identifica o sistema) sem que se estabelecesse ligação com os elementos da GNR e da PSP que estão na central – que em muitos turnos são entre quatro e seis, longe por isso dos 12 que seriam necessários para uma resposta adequada. O i sabe ainda que, por diversos momentos, a lista de chamadas em espera chega às três dezenas.

três pessoas para meio país O cenário parece estar a piorar. Numa altura em que o país está a braços com grandes incêndios, nomeadamente a Sul, nas escalas pode ler-se que na amanhã, quinta e sexta feira, nos turnos das 00h às 8h só haverá três elementos a atender as chamadas dos nove distritos do Sul do país.

Esta central conta atualmente com 30 efetivos da PSP e 12 da GNR, mas um quarto dos elementos estão de baixa e neste período alguns estão de férias.

“Cada elemento em cada turno de oito horas receberá em média cerca de 700/900 chamadas, o que é incomportável”, explica uma fonte, que prefere não ser identificada.

O i sabe ainda que além das baixas, existem vários pedidos para sair daquele serviço e elementos que não vão renovar o vínculo de três anos a que estão obrigados.

“Devido à gritante falta de efetivos, estão a solicitar aos polícias para trabalharem nas folgas de forma voluntária, prometendo folgas. Uns elementos são compensados com uma folga e meia (12 horas), enquanto outros (elos de ligação com direção nacional da PSP) são compensados com duas folgas, havendo aqui uma divisão entre colegas da mesma profissão, o que não se compreende”, explica ao i a mesma fonte.

Problemas no INEM Além do tempo de espera no 112, há ainda pessoas a queixarem-se de atrasos no atendimento do INEM, quando a situação é direcionada para aquela linha. E mesmo entre os profissionais do 112 há queixas, neste caso dos atrasos no pagamento do suplemento mensal: “Desde Julho de 2018 que o COSUL não paga o suplemento do INEM aos polícias, no valor mensal de 140 euros”, uma situação que “já se verificou anteriormente”.

Questionada ontem, a PSP não prestou qualquer esclarecimento sobre estas chamadas sem resposta, mas antes já tinha emitido um comunicado em que referia que “o Centro Operacional 112 Sul não se encontra em situação de rutura, sendo a gestão da escala de operadores ajustada de acordo com as necessidades e volume de chamadas a processar”. Adiantava ainda que “a média de tempo de espera no atendimento aproxima-se atualmente dos 15 segundos, valor este em linha com as médias europeias”.

Era no entanto admitido que “em situações excecionais de maior complexidade podem existir momentos de um exponencial aumento de chamadas (incidentes de grande visibilidade e impacto, em que a mesma situação pode gerar centenas de chamadas de diferentes origens), resultando numa maior demora no atendimento, circunstância esta que não se resolveria com o aumento do número de efetivos/operadores por si só, dado o enorme volume de chamadas”.

“No que se refere à situação dos agentes que “aceitam trabalhar na sua folga”, tal decorre da referida gestão de escalas que o serviço exige, de modo a garantir a permanente e adequada resposta, considerando os circunstancialismos acima elencados. Todos os polícias serão devidamente compensados com adequados períodos de descanso”, conclui a PSP.

Contactado ontem, o Ministério da Administração Interna remeteu para a posição da PSP. Já a GNR disse que qualquer outro esclarecimento só poderia ser dado pela equipa do 112.

A falta de operacionais na linha de emergência noticiada ontem pelo “CM” levou ontem o PSD e o CDS a exigirem uma resposta rápida.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×