24/9/18
 
 
Ambiente. 207 defensores mortos em 2017

Ambiente. 207 defensores mortos em 2017

AFP Jornal i 24/07/2018 09:58

60% destas mortes ocorreram na América Latina

Segundo a ONG Global Witness, pelo menos 207 defensores do ambiente foram mortos em 2017 devido a ações de protestos contra projetos de exploração mineira, florestal ou agroindustrial. Este revela-se, segundo a organização, o ano mais mortal para os defensores de causas ambientais.

Entre as 207 vítimas estão indígenas, guardas florestais e ativistas, de 22 países, sendo que 60% das mortes ocorreram na América Latina.

O Brasil vem no topo da lista com 57 pessoas assassinadas, seguindo-se da Colômbia com 24 mortes. No México, Peru e Nicarágua, no total, registaram-se 27 assassinatos.

No continente africano, terão ocorrido 19 homicídios, sendo que 17 destes estão provavelmente relacionados com os protestos contra a caça furtiva ou a atividade mineira ilegal.

A organização aponta para 48 pessoas mortas nas Filipinas, algo que considera peculiar no continente Asiático.

A Global Witeness aponta como principais fatores a "agricultura em massa, mineração, caça furtiva, extração de madeira... Alimentação, componentes e ingredientes para as prateleiras dos nossos supermercados, tal como o óleo de palma para champôs, soja para carne ou madeira para nossos móveis", que levam aos protestos e, por sua vez, aos comportamentos violentos que resultam nestas mortes.

"Ativistas locais são assassinados enquanto governos e empresas favorecem lucros rápidos em detrimento da vida humana", afirmou um membro da ONG, Ben Leather.

A organização insiste que “nós, consumidores, devemos exigir que as empresas assumam as suas responsabilidades", sublinhando que “é preciso fazer mais".

A organização denuncia que nenhum dos suspeitos foi levado a tribunal, o que demonstra "um sinal da cultura de impunidade e inação do governo relativamente aos ativistas ambientais. Pelo contrário, o poder é usado para enfraquecer as leis que protegem a terra e os direitos indígenas, facilitando a exploração dos ecossistemas pelas empresas".

Os dados deste ano, segundo a ONG, superam os de 2016, que tinham batido o recorde com 200 mortes.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×