18/9/18
 
 
Incêndios. Ainda há três feridos dos fogos de outubro internados

Incêndios. Ainda há três feridos dos fogos de outubro internados

Miguel Silva Rosa Ramos 17/07/2018 08:52

Vítimas estão no Hospital Pediátrico de Coimbra e no Centro Rovisco Pais. Governo aplica lei da rolha e deixa de publicar relatórios dos fogos

Nove meses depois dos grandes fogos de outubro, ainda há feridos no hospital. Segundo adiantou ao i o Ministério da Saúde, estão internados três doentes: um no Hospital Pediátrico de Coimbra e dois no Centro de Medicina de Reabilitação Rovisco Pais, na Tocha (Coimbra).

A seguir aos incêndios de 15 de outubro, 64 pessoas foram internadas, quase todas (52) por queimaduras. E, de acordo com o governo, “a maioria dos queimados” continua ainda “em vigilância, em consulta interna de cirurgia plástica” e em consultas de fisioterapia e reabilitação. “Alguns continuam com acompanhamento psicológico nos centros de saúde pelos psicólogos clínicos ou pelas equipas de saúde mental comunitária”, revela ainda o Ministério da Saúde, acrescentando que o mesmo se passa com feridos dos incêndios que varreram a zona de Pedrógão Grande. Além de receberem apoio psicológico, há quatro vítimas dos fogos de 17 de junho que continuam em consultas de reabilitação. No total, recorda o ministério, o fogo de Pedrógão motivou 29 internamentos, 24 por queimaduras.

Os incêndios de outubro mataram pelo menos 49 pessoas e, num só dia, ardeu mais do que o habitual num ano inteiro. Os 440 incêndios verificados em todo o país consumiram cerca de 190 mil hectares (o equivalente a 190 mil campos de futebol). E a Comissão Técnica Independente nomeada pela Assembleia da República para estudar o fenómeno – a mesma que investigou as causas do fogo de junho em Pedrógão Grande, que matou 66 pessoas – concluiu que tinha sido possível evitar a dimensão da tragédia. “Havia capacidade para antecipar os incêndios de outubro, mas isso não foi feito”, garantiu, na altura, o presidente da Comissão, João Guerreiro.

Poucos dias antes dos grandes incêndios, o governo decidiu não prolongar a fase Charlie (a mais grave dos fogos e que terminava a 30 de setembro), o que implicou a desmobilização em massa dos meios de combate que estavam no terreno e com boa parte dos postos de vigia nas florestas a ser abandonado. Para 15 de outubro, o perigo meteorológico de incêndio tinha sido classificado como “extremo” para praticamente todo o país e os avisos do Instituto Português do Mar e da Atmosfera eram conhecidos desde o dia 12 de outubro. As previsões meteorológicas davam conta da possibilidade de ventos fortes, resultantes da passagem do furacão Ophelia.

 

Governo deixa de dar dados

Entretanto, o governo deixou de publicar os habituais relatórios que mostram o número de incêndios e as respetivas áreas ardidas. Nos últimos anos, os documentos eram publicados habitualmente no site do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), mas o último relatório disponível é de 31 de outubro de 2017. O i já questionou o Ministério da Agricultura sobre o porquê de a informação ter deixado de ser pública, mas o gabinete do ministro Capoulas Santos nem sequer respondeu.

Assim, os únicos dados que existem à disposição são os que figuram na homepage do ICNF e que dão conta, genericamente, de que, desde 1 de janeiro, houve 6056 incêndios que destruíram 5.351 hectares. Anteontem, o PCP acusou o governo de atrasar os apoios às vítimas. Jerónimo de Sousa visitou a zona de Santa Comba Dão e, no final, garantiu que “não há progressos significativos” no terreno. “Tendo em conta aquilo que aparece anunciado, de milhões e milhões de euros, aqui, passados nove meses, estamos na estaca zero”, disse.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×