21/9/18
 
 
NOS Alive, dia 1: A adolescência na vida adulta

NOS Alive, dia 1: A adolescência na vida adulta

Victor Barros Davide Pinheiro 13/07/2018 16:13

Uns Arctic Monkeys melhores do que há quatro anos e uns Nine Inch Nails mais confortáveis à medida que a luz caía chamaram a atenção na primeira noite de NOS Alive.

Ainda sob a luz poente, os Nine Inch Nails descarregam "March of the Pigs" com o peso todo suportado pela aparelhagem. No recinto, um grupo de raparigas ainda sem idade para conduzir não sabe como há-de reagir: dançar? gritar? E agora?

Ao perfil revivalista do cartaz - até os Arctic Monkeys estão para cima da dezena de anos -, responde um misto de pais e filhos. Por isso, não surpreende que o novel Khalid esgote o Palco Sagres e toda a gente saiba de cor o single radiofónico "Young, Dumb & Broke".

É certo que são 55 mil pessoas a acotovelar-se, entre concertos, Instavídeos, selfies, comidas, bebidas, palcos de seriedade ou comédia. E que o festival foi desenhado para responder a uma afluência massiva, oferecendo propostas diversificadas. 

E também que os Arctic Monkeys vencem por maioria absoluta mas há uma discrepância entre o rejuvenescimento natural do público e o tipo de bandas. Um cartaz de rock obriga a rebobinar a cassete na era do streaming.

Ironias. Há quem elogie o amadurecimento dos Arctic Monkeys mas, à parte o single "Four Out Of Five" na abertura do concerto, são as canções com borbulhas que deixam a plateia aos pulos. 

"Esta é de 2004", recorda Alex Turner, sobre o single triunfal de início de carreira "I Bet You Look Good On The Dancefloor". Sempre que os Arctic Monkeys carregam no acelerador (leia-se distorção), os litros de cervejam exponenciam-se.

Quando baixam o ritmo para os slows de "Tranquility Base Hotel & Casino", são literais. É um ambiente de casino, entre os Walker Brothers e Serge Gainsbourg, que se gera. A antítese de um grande festival e dos rugidos de "R U Mine?", "Brianstorm" e "Teddy Picker" ou do apelo sexual de "Do I Wanna Know?".  

Que se danem os europeus, os Arctic Monkeys americanos são infinitamente mais interessantes que os ingleses. Por enquanto, ainda não se nota o desconforto mas é óbvio que há uma pele a cair e outra a nascer.

Que não é o caso dos Snow Patrol - um projeto falhado de Coldplay - nem dos Nine Inch Nails. Trent Reznor e respetiva tropa escolhem um alinhamento de suor e raiva. 

E quando se fala da economia de rock nos festivais, aqui está a excepção a confirmar a regra. O festival está lotado, a cerveja vende-se e o trânsito flui. Se essa é a banda sonora certa para o NOS Alive 2018 é uma questão em aberto. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×