17/11/18
 
 
NOS Primavera Sound, dia 1: Entregar a alma ao criador

NOS Primavera Sound, dia 1: Entregar a alma ao criador

Davide Pinheiro 08/06/2018 17:13

Na primeira noite de festival, Tyler The Creator arrebatou e Jamie xx cumpriu. Primavera só no nome mas o Inverno deu tréguas. 

A viagem rumo ao Porto e o tempo de espera à entrada não permitiram assistir ao entardecer ao som dos Rhye, na visita anual a Portugal agora já com o segundo álbum "Blood" a correr nas veias, ao despudor de Father John Misty e à (nada) intrusa pop Lorde num festival de tendência canhota. Por isso, foi Tyler The Creator a inaugurar o roteiro pessoal NOS Primavera Sound. Ele que, após uma estreia adiada no Super Bock Super Rock, veio pela primeira vez a Portugal. 

Longa se torna a espera na névoa que cobre...o parque. A primavera cingiu-se ao nome mas a tradição de Paredes de Coura não desceu ao Porto. E durante a noite, o Primavera Sound portuense esteve imune à chuva. Agradeceram muitos dos que esperaram pelo criador colados à grade e que causaram um verdadeiro tumulto com gestos até há bem pouco tempo convencionais dos concertos de rock como mosh e headbangin'. Na conferência de imprensa de um outro festival com rock no nome e hip-hop a dominar o cartaz, alguém perguntava se o caminho era aquele. Em 2018, ainda há quem conteste os muros de Trump no mural quando, verdadeiramente, a guerra começa em casa mas este é o tempo de quebrar barreiras e não de impor fronteiras. E se a ebulição de Tyler, The Creator vem ancorada em missivas de rua, as bases musicais tanto herdam da exigência de Kanye West, como da audácia do atelier de arquitectura moderna Neptunes/Pharrell, a relação com o funk moderno, via companheiros de bancada The Internet - palpável no recente "Flower Boy" - é um contraponto à explosão hormonal em que ainda vive.

O concerto é centrado nele e só nele. Quase anónimos, os DJs disparam os instrumentais. Os cenários vídeo são reconstruídos a cada canção. De colete refletor, Tyler vai debitando rimas sobre vozes que vão chegando dos discos. Há uma doce ironia quando em "Where This Flower Booms" exclama "I rock, I roll, I bloom, I grow", juntando no mesmo saco o que o que resta do preconceito ainda separa. Há uma linha a atravessar este festival e não é a do medo. Unidos pela diferença, os géneros deixam de fazer sentido e passam a ser meros apelidos perdidos na tradução. Tyler, The Creator teve uma multidão à sua espera e respondeu afirmativamente à chamada no primeiro concerto de uma trilogia que passa por A$ap Rocky e Vince Staples mas este é um festival de mente aberta como nunca se (ou)viu em Portugal. 

Por isso, a encosta do Parque da Cidade esteve repleta para ver do que o homem da casa das máquinas dos xx era capaz sozinho. Após inúmeras visitas a Portugal, Jamie xx voltava em nome próprio com honras de horário nobre num grande festival pela primeira vez. E apresentou-se num formato minimalista de DJ, aquém das possibilidades para um palco tão grande, apenas com mesa de mistura, gira-discos e um jogo de luzes que foi perdendo a vergonha à medida que a odisseia musical evoluía da raiz funk/disco para as reminiscências das raves londrinas ilegais. 

E agora para algo familiar, a eficaz remistura caseira de "On Hold" dos xx conteve a ameaça de dispersão. E a versão adulterada de "Psycho Killer" dos Talking Heads - versão "Stop Making Sense" - foi o final feliz para um live act seguro mas a pedir outras ambições. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×