21/11/18
 
 
António Luís Marinho 11/05/2018
António Luís Marinho
cronista

opiniao@newsplex.pt

As lições do BB

O BB soube “escreviver” e também “vivelhecer”. E conseguiu manter sempre o seu nome asseado, até porque, como ele próprio afirmou, “nem todos os rostos são máscaras”

Passou um ano sobre a morte do jornalista e escritor Baptista-Bastos.

Fui daqueles que tiveram a sorte de o conhecer, embora não fosse seu amigo íntimo. Baptista-Bastos, o BB, era uma constante fonte de ensinamentos para todos os que abraçaram a sua profissão: o jornalismo.
Bastava lê-lo. Bastava ouvi-lo.

Numa época em que o jornalismo vive uma das suas maiores crises, vale a pena recordar alguns dos escritos que nos deixou.

No seu livro “Capitão de Médio Curso”, escrito em 1978 e que ele próprio definiu como “ensaio de autobiografia”, escreveu:

“O relato do que se passa no comportamento dos homens encontramo-lo todos os dias, em todos os jornais: na crónica do crime, nos telexes do estrangeiro, na política nacional, na reportagem desportiva, cada repórter, com a sua verdade e com o grande propósito de ser eficiente em a transmitir – em colocar um anónimo tijolo na casa que se vai erguendo. Mais do que uma instituição pública, o jornal é uma declaração de amor, um momento, e a sua arte reside justamente na virtude de chegar na hora, na criação do contraponto entre o que permanece e o que vai acontecendo.”

Que melhor forma de definir o produto desta profissão/arte? 

Mais à frente, atira frontalmente:

“Sendo ato, sonho, declaração de amor, o jornal é também uma ciência – eis porque os tiranos temem o prestígio do jornal que vê claro e escreve vivo: a felicidade apoia-se na verdade, a ilusão assenta na mentira”.
Para repórter, encontrou esta definição simples e exata:

“Repórter é uma espécie de vou ali já venho, e, em vez de se perder em discursos, ele tem de invocar a evidência dos factos.”

O BB soube “escreviver” e também “vivelhecer”. E conseguiu manter sempre o seu nome asseado, até porque, como ele próprio afirmou, “nem todos os rostos são máscaras”.

A um dos seus livros, onde reúne algumas das suas reportagens e que é um verdadeiro manual de jornalismo, deu o título

“As Palavras dos Outros”.

Hoje, utilizei as palavras dele para fazer esta crónica, onde lhe agradeço as lições que recebi.

Jornalista

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×