23/9/20
 
 
Morreu Afonso Dhlakama, líder da Renamo

Morreu Afonso Dhlakama, líder da Renamo

AFP Photo Ana Sá Lopes 03/05/2018 17:47

O dirigente da Renamo, Afonso Dlakhama, morreu. Segundo informações a que o i teve acesso, a causa mais provável é ter falecido em consequência de diabetes. Mas há rumores em Moçambique que admitem a hipótese de Dlaakhama ter sido envenenado 

Afonso Dhlakama, 65 anos, morreu nas matas da serra da Gorongosa onde se encontrava escondido. Há versões contraditórias sobre a sua morte: Dhlakama sofria de diabetes, teve uma complicação e não foi possível evacuá-lo a tempo da província de Sofala, no centro de Moçambique, onde estava escondido desde 2015. Circulam, contudo, rumores de que o líder histórico da Renamo possa ter sido envenenado.

No dia 29 de Abril, a líder parlamentar da Renamo, Ivone Soares, tinha afirmado que Dhlakama poderia em breve abandonar o esconderijo e retomar a vida política institucional.

"Estamos a trabalhar para que a saída do presidente Afonso Dhlakama seja para breve com as medidas de segurança acauteladas e com o término das negociações militares que englobam garantias de que as forças residuais da Renamo vão ser acopladas dentro do exército único do estado moçambicano”, disse Ivone Soares.

Dhlakama assumiu a presidência da Renamo no auge da guerra civil em Moçambique, Em 1992, assinou com Joaquim Chissano, antigo presidente moçambicano, os acordos de paz em Roma que puseram fim a uma guerra civil que durou 16 ininterruptos e provocou centenas de milhares de mortos. É nessa altura que a Renamo passa a ser um partido político reconhecido. Mas em 2013, a violência regressa.

Dhlakama refugiou-se na província de Sofala em 2015. Entretanto, prosseguiam as conversações para um novo acordo de paz. No mês passado, Dhlakama afirmou a um semanário moçambicano que a Renamo só entregaria as armas em seu poder quando os seus oficiais fossem integrados no comando das Forças de Defesa e Segurança. O presidente moçambicano, Filipe Nyusi, contestou a posição do líder da Renamo. “Como é que pode haver paz com armas? Não é possível paz com armas. Não há em nenhuma parte do mundo nem se pode deixar que isso aconteça”, afirmou Nyusi.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×