16/7/18
 
 
Nova demissão na instituição que atribui o Nobel da Literatura

Nova demissão na instituição que atribui o Nobel da Literatura

Magalhães Afonso 12/04/2018 22:11

Secretária permamente da Academia Sueca anuciou que renuncia ao cargo uma semana depois da saída de três outros académicos 

Sara Danius anunciou hoje que deixa o cargo de secretária permanente da Academia Sueca, e também o seu lugar na instituição depois de uma reinião durante a qual se discutiu a grave crise que atravessa a academia devido a um escândalo de corrupção, assédio sexual e quebra de confidencialidade. 

A decisão  de Danius surge depois de há uma semana, três membros da Academia Sueca -  uma instituição com 230 anos e que desde 1901 atribui o Prémio Nobel da Literatura - terem também renunciado às suas posições. Na altura,  Klas Östergren, Kjell Espmark y Peter Englund aludiram de forma indireta a um caso que tem no centro Jean-Claude Arnault, fotógrafo e dramatutgo francês, casado com outro membro da academia, a escritora Katarina Frostenson.

Depois de uma reunião, a primeira desde a demissão dos três académicos, e que demorou o dobro do habitual, Sara Danius escusou-se a revelar se a sua saída foi na sequência de uma votação e garantiu que não se falou de um nome para a sucessão. “Não posso falar disso, é confidencial. É a vontade da Academia e aceito-a. Gostaria de ter continuado, mas há outras coisas para fazer na vida”, afirmou, citada pela agência EFE.

Devido às várias acusações, inclusive de corrupção, Katrina Frostenson deveria ter sido - mas não foi - excluída do órgão na quinta-feira passada. A confidencialidade foi também a regra invocada por Kjell Espmark quando perguntado sobre a possível exclusão da escritora da Academia. “A amizade foi colocada à frente da integridade”, afirmou na altura Espmark.  

Katarina Frostenson, que é membro da Academia Sueca desde 1992 e, portanto, vota na atribuição do Prémio Nobel de Literatura, é alvo de uma série de acusações. Uma delas é a de que teria violado a regra de confidencialidade ao revelar ao marido os nomes de futuros vencedores do mais importante prémio mundial das letras.

Jean-Claude Arnault é suspeito de ter revelado antes de tempo os garadões concedidos aos também franceses  J. M. G. Le Clézio em 2008 e Patrick Modiano em 2014. Arnault é ainda acusado por 18 mulheres de abusos sexuais, muitosdeles no seu centro cultural, cofinanciado pela academia, mas também em apartamentos em Estocolmo e Paris, disponibilizados também pela Academia Sueca.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×