21/9/18
 
 
Deputado do PSD critica “divergências públicas” entre Rio e Fernando Negrão

Deputado do PSD critica “divergências públicas” entre Rio e Fernando Negrão

Diana Tinoco Luís Claro 06/04/2018 16:16

Carlos Abreu Amorim defende que “não são admissíveis divergências públicas” sobre a realização de um referendo

Carlos Abreu Amorim considera que “não são admissíveis divergências públicas” entre o presidente do partido e o líder parlamentar por causa da realização de um referendo sobre a eutanásia.

Fernando Negrão admitiu, em entrevista à Antena 1, a realização de uma consulta popular sobre a eutanásia. “Devemos refletir sobre a possibilidade de um referendo para dar a conhecer aos portugueses o conjunto das soluções que existem", disse o líder parlamentar do PSD.

Rui Rio foi confrontado com as declarações de Negrão e defendeu que a eutanásia “não é matéria” para referendo. O presidente do PSD foi um dos subscritores, em 2016, do manifesto sobre a despenalização da morte assistida.

“Independentemente da questão substancial, não são admissíveis divergências públicas acerca da realização de um referendo entre o líder parlamentar e o presidente do partido. Isso não existe e deveria ter sido evitado”, escreveu, na sua página do facebook, o deputado Carlos Abreu Amorim.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×