20/11/18
 
 
Seca. Chuva que caiu evitou “catástrofe” no Alentejo

Seca. Chuva que caiu evitou “catástrofe” no Alentejo

Jornal i 29/03/2018 14:47

A chuva que tem caido nas últimas semanas repôs os níveis de águas das barragens no Alentejo e melhorou bastante toda a situação. No entanto, o responsável regional da Agência Portuguesa do Ambiente deixa um alerta

“Foi uma bênção que caiu do céu” e, “neste momento, as disponibilidades hídricas são maiores para a agricultura, mas não são ilimitadas”, declarou à Lusa André Matoso, diretor da Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Alentejo, da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Apesar de toda a seca, o abastecimento humano – considerado prioritário – não estava em risco, mas ainda assim, caso a região tivesse “continuado naquele cenário certamente haveria zonas em que não se poderia regar”, disse o responsável.

“Essa catástrofe [para a qual] estávamos a caminhar, felizmente, está completamente ultrapassada. Esta água está reservada, está armazenada e, agora, é saber geri-la e usá-la com parcimónia”, afirmou, sublinhanho que, apesar das melhorias, é preciso continuar “a regar como se houvesse pouca para que ela dure mais tempo”.

O diretor da ARH explicou que a queda de precipitação que se verificou estes dias, desde 28 de fevereiro, não é “normal” no Alentejo  e que teve um efeito “particularmente importante” para a região, uma vez que se encontra “em seca desde 2015”.

As albufeiras alentejanas tiveram uma evolução “muito favorável”, referiu o responsável regional da APA.

No entanto, André Matoso deixou um alerta: “Pelo facto de as albufeiras e os aquíferos estarem a evoluir favoravelmente, não podemos esquecer o passado recente. Agora que a água cá está, temos de a preservar”.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×