16/9/19
 
 
Passos Coelho a dar aulas divide professores

Passos Coelho a dar aulas divide professores

João Girão Luís Claro 17/03/2018 10:09

Passos Coelho abandonou a política e vai dar aulas, mas continua a gerar polémica. Um grupo de 28 professores universitários contesta nomeação ‘ofensiva’. António Costa Pinto garante que é ‘completamente normal’.

Passos Coelho deixou de ser primeiro-ministro há mais de dois anos, presidente do PSD há um mês e deputado há duas semanas. Mesmo assim não deixou de ser notícia. Pelo contrário. Desde que abandonou o Parlamento gastou-se muita tinta com a polémica contratação para dar aulas numa universidade pública. 

Um abaixo-assinado lançado esta semana por 28 professores universitários e investigadores a contestar a nomeação do ex-primeiro-ministro como professor catedrático convidado do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) veio dar gás à discussão. Miguel Vale de Almeida, Rui Bebiano ou André Barata estiveram entre os promotores da iniciativa que classifica esta nomeação como «uma ofensa à dignidade dos profissionais da ciência e do ensino».

André Barata garante que a contestação nada tem a ver com a política praticada por Passos Coelho durante os tempos em que governou o país ou com questões partidárias. «Se fosse outra pessoa com o mesmo perfil faríamos a mesma coisa», garante ao SOL o professor da Universidade da Beira Interior. 

É, porém, inevitável que a contestação esteja a ser associada a alguns setores de esquerda. Paulo Rangel, eurodeputado social-democrata, não tem dúvidas de que este é «um debate mesquinho e partidário» que não aconteceria  «se fosse um primeiro-ministro do Partido Socialista. O social-democrata defendeu, na TVI, que se «justifica totalmente» o convite feito ao ex-líder do PSD para dar aulas de Administração Pública.

Não foi só dentro do PSD que surgiram vozes a desdramatizar a contratação de Passos. O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, defendeu, em declarações à Antena 1, que «é, hoje, normal num ambiente universitário em qualquer país civilizado contratar lideres políticos. É bom termos cada vez mais políticos e ex-políticos envolvidos com estudantes, porque o ensino superior tem de ser inclusivo a todas as linhas de pensamento». 
Sérgio Sousa Pinto também saiu em defesa do ex-líder do PSD, logo no início desta polémica. O deputado socialista argumentou que Passos podia ter sido «cooptado pelos ‘donos disto tudo’, como consultor, lobista ou ornamento», mas «decidiu ensinar e ser professor». Para Sousa Pinto,  a experiência de um ex-primeiro-ministro «é única e valiosa».  

Constâncio, Amado e Paulo Macedo em situação idêntica 

A contratação de Passos está longe de ser caso único. Vítor Constâncio, Luís Amado, Paulo Macedo ou Guilherme d’Oliveira Martins são alguns dos casos idênticos. Mário Soares foi também professor catedrático convidado da cadeira de Relações Internacionais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra na década de 90. 

André Barata defende que não há comparação: «esse argumento só serve para relativizar a questão. Mário Soares, quando foi professor catedrático convidado, era uma figura nacional. Era já uma pessoa ligada à História de Portugal. Guilherme d’Oliveira Martins é uma pessoa reputadíssima nos meios académicos».

Rui Bebiano, professor de História na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e investigador, também defendeu, na sua página do Facebook, que não tem nada contra «o acesso especial à carreira universitária, inclusive em lugares de topo, a pessoas de reconhecido mérito», mas não faz sentido convidar pessoas «sem formação, mérito ou reconhecimento».

António Costa Pinto tem outra opinião e considera «completamente normal» a contratação de ex-políticos e especialistas. «Acho que a contestação não faz qualquer sentido. A universidade só ganha em ter este tipo de professores convidados.

A carreira de professor convidado foi mesmo feita para isso», diz ao SOL o investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. 

Uma das primeiras vozes a contestar a contratação de Passos foi a investigadora Raquel Varela. «Passos Coelho foi de Massamá ao Restelo a cavalo na vida política pública. Pagámos a conta toda», escreveu a historiadora, contestando que o ex-primeiro-ministro continue a ser pago pelo Estado. «Conseguiu, pago pelos nossos impostos, destruir os serviços públicos, que já não existem com qualidade mas que continuamos a pagar. E acaba a dar aulas numa universidade pública, paga por nós, onde vai ensinar a outros como continuar a destruir serviços públicos, que continuaremos a pagar, mesmo quando já não existirem. O Estado é deles. Merece o lugar de catedrático.» 

Passos vai dar aulas na faculdade onde foi vaiado 

Passos Coelho vai dar aulas na universidade onde já foi vaiado. Em 2013, quando o país enfrentava duras medidas de austeridade, um grupo de alunos pediu a demissão do então primeiro-ministro, que se deslocou à instituição para falar sobre a reforma do Estado. Passos reagiu com «naturalidade».

Um grupo de alunos do ISCSP contesta agora que o ex-líder do PSD, que «nunca lecionou, nunca preparou uma tese na sua vida, nunca trabalhou em investigação e nunca teve um percurso académico minimamente relevante, seja capaz de preparar alunos de mestrado e doutoramento». O abaixo-assinado, que circulou entre os alunos, considera que esta contratação configura «a materialização de uma afronta à transparência e à meritocracia».  

A  Associação de Estudantes distanciou-se do «pretenso» e «desconhecido» abaixo-assinado e garantiu que aquela posição não vincula os alunos da universidade. Um comunicado refere que «a Associação de Estudantes do ISCSP demarca-se de qualquer tentativa de utilização do processo em causa, por pessoas coletivas ou individuais, para fins político-partidários por parte dos estudantes no seio da instituição». Passos Coelho ainda não comentou a polémica, mas é certo que vai ser professor. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×