24/5/18
 
 
Rio convida Santana para o Conselho Nacional

Rio convida Santana para o Conselho Nacional

Sebastião Bugalho 10/02/2018 16:40

O trabalho em conjunto que fora apalavrado em jeito de provacação durante a corrida vai, afinal, acontecer mesmo. Rio estende a Santana a mão que Passos estendeu a Paulo Rangel.

 

Janeiro de 2018 não foi um mês fácil para Pedro Santana Lopes. 

O social-democrata acabou o primeiro mês deste ano sem PSD, sem Santa Casa da Misericórdia e sem coluna de opinião no Correio da Manhã, à qual foi convidado a pôr termo, sobrando-lhe o escritório de advocacia e o congresso do próximo fim-de-semana.

O telefone, sabe o SOL, ainda não tocou. A possibilidade de repetir Paulo Rangel – convidado para encabeçar uma lista ao Conselho Nacional e depois ao Parlamento Europeu após perder contra Passos em 2010 – é real. 

A unidade que Passos Coelho procurou no partido após ser eleito líder há oito anos, dando protagonismo e recebendo em troca solidariedade, é a mesma unidade que Rui Rio agora, e naturalmente, pretende. 

Unir o partido para ganhar o país foi de slogan de Santana para doutrina de Rio como líder-eleito. Havendo eleições europeias antes de nacionais, e havendo congresso antes de ambas, a união começará aí. 

Santana, ao que apurou o SOL junto de fonte próxima do mesmo, está disponível para contribuir para tal. Afinal, para o par de sá-carneiristas, a máxima de colocar partido à frente de «interesses pessoais» não poderia ser descartada. Ou momentaneamente esquecida. 

Durante as diretas, tanto um como o outro deram sinais de que trabalhariam juntos independentemente do resultado. Santana disse que convidaria Rui Rio a trabalhar consigo caso vencesse e Ângelo Correia, que aconselhou Rio ao longo da corrida interna, também a este jornal destacou a importância de Rio fazer o mesmo. 

As europeias, como primeiro teste eleitoral de peso antes das legislativas (e das regionais na Madeira...), contam. E o presidente-eleito do PSD sabe da sua importância para, pelo menos, não chegar a legislativas já de frescura desgastada. 

Nos corredores de Bruxelas já se inquire até se Paulo Rangel permanecerá cabeça de lista ao Parlamento Europeu, conseguindo assim um terceiro mandato como eurodeputado. O facto de ser vice-presidente do Partido Popular Europeu – a grande família do centro-direita comunitário – e também vice-presidente do grupo parlamentar do PPE – a maior bancada no Parlamento Europeu – faz com que Rangel seja o político português de maior destaque nos populares na última década. 

A relação de longa-data com Rui Rio desde os tempos da Câmara do Porto, por outro lado, é dado menos sólido. Os dois políticos nem sempre vêem de olho para olho nas mais variadas matérias. «Nunca foi fácil e agora ainda menos. O Paulo [Rangel] sentiu-se bastante impelido a avançar quando o Passos disse que ia embora por saber – especificamente – que a alternativa seria Rui Rio. Têm visões diametralmente opostas em várias matérias e isso é assim desde a Câmara», relata ao  SOL fonte que conhece ambos de perto, requerendo anonimato. 
«E depois toda a gente sabe que o Paulo não avançou, não por achar que iria perder – tinha os apoios que toda a gente queria –, mas precisamente pelo contrário: pelo que se passaria se ganhasse. Ou, se quiser, até ele ganhar. O tom ameaçador que veio a público antes de ele dizer que não avançava... sobre o modo como seria a campanha... Não se esquece assim tão cedo», continua. 

A verdade é que Rangel tem defendido Rio – ou preservado a simpatia institucional – no programa em que participa semanalmente na TVI24, com o também eurodeputado, mas do PS, Pedro Silva Pereira. «A Rio também não convém mexer muito, ou acaba responsabilizado por uma derrota antes das legislativas», conclui, em contraponto. «Ele, com certeza, já terá pensado no assunto», isto é, as ditas europeias. 

E haveria descentralização de responsabilidade maior do que convidar o oponente interno (Santana) para encabeçar o fardo? A essa questão não se deu resposta. Mas uma terceira via, com Santana a cabeça-de-lista por Lisboa nas legislativas e Rio pelo Porto, não é colocada de parte. Resolveria, sobretudo, um problema comparativamente a Bruxelas: Santana Lopes odeia andar de avião. 

Um jantar estratégico com ausentes de peso

E Santana, claro, não está indiferente a nada. A prova disso é o jantar, em sua casa, que realizou esta quinta-feira com alguns dos fiéis mais próximos da já referida corrida interna. Estiveram presentes Pedro Pinto, presidente da distrital de Lisboa que levará uma moção contra o Bloco Central a congresso, Ricardo Alves Gomes, que serviu com Santana na Santa Casa da Misericórdia, e as deputadas Ângela Guerra e Sara Madruga da Costa. A ‘ordem dos trabalhos’ terá sido a entrevista de Santana ao semanário Expresso (edição de hoje) e uma lista ao conselho nacional de santanistas – não encabeçada por Pedro Pinto, como previsto, mas pelo presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, ou Sérgio Humberto, da Trofa. Parelha protagonista de autarcas na comissão nacional de Santana durante as diretas.

Mas do restante santanismo central na corrida interna, há três nomes que faltaram – ou não receberam convite – para o repasto ‘laranja’: Miguel Santos, coordenador político da campanha, João Montenegro, diretor nacional da campanha, e Carlos Eduardo Reis, que aconselhou o candidato e já fora seu porta-voz para a juventude em 2008. Os dois últimos são nomes fortes e prováveis a também apresentarem uma lista ao Conselho Nacional. 

Escutado pelo SOL, Montenegro limita-se a apontar ao congresso como oportunidade para «debater o futuro do partido, sendo o futuro próximo ganhar as legislativas». No entanto, para o antigo adjunto de Passos enquanto primeiro-ministro, «não se podem separar as diferenças de opinião resultantes das eleições internas, em que o partido esteve muito dividido, como a divisão num bloco de 53% e num bloco de 47% demonstram». «Deve haver, por um lado, boa fé da nova liderança em acolher esse bloco e, ao mesmo tempo, vontade de federar gerações». Reis, que apresentara a terceira lista mais votada no congresso de 2016, não se mostrou disponível para comentar a possibilidade de repetir a proeza no próximo fim-de-semana. Mas a possibilidade de o ‘santanismo’ se dividir rumo ao Conselho Nacional, como o SOL noticiou na passada semana, é cada vez mais real.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×