20/9/18
 
 
Amadora. Demolições voltam ao bairro 6 de Maio
A retro-escavadora para demolir a habitação de António Sanhá

Amadora. Demolições voltam ao bairro 6 de Maio

A retro-escavadora para demolir a habitação de António Sanhá Mafalda Gomes Ricardo Cabral Fernandes 18/01/2018 14:49

A Polícia Municipal da Amadora tentou hoje demolir uma casa onde viviam cinco pessoas. Grupo de ativistas impediu a demolição

As retro-escavadoras voltaram ao bairro 6 de Maio, na Amadora, depois de meses sem serem vistas, para demolirem habitações consideradas ilegais pela Câmara Municipal da Amadora. 

Ontem, vários residentes do bairro encontraram nas portas de suas casas um aviso a anunciar que "os moradores desta construção que a mesma vai ser demolida de imediato pelo que deverão retirar tudo o que possuem no seu interior", sem qualquer data ou assinatura. O aviso apenas remetia a autoridade para a Câmara Municipal da Amadora e Polícia Municipal. 

Hoje, pelas 8h da manhã, um conjunto de ativistas mobilizou-se para tentar impedir que mais casas fossem demolidas e os habitantes despejados, sendo que uma parte significativa dos moradores deste bairro tem-se visto privada da sua habitação sem que lhe sejam apresentadas "reais alternativas", segundo os próprios habitantes com quem o i falou. 

"Colaram um papel na porta e disseram-me que tinha de sair logo. Perguntei para onde iria e não me responderam". É assim que António Sanhá, de 68 anos e pensionista, resume o contacto que teve com as autoridades municipais nos últimos dias. 

Ao chegarem ao local, os ativistas da associação Habita e outros independentes depararam-se com uma retro-escavadora já preparada para a demolição, trabalhadores da construção civil a destruirem com marretas uma parte da varanda da habitação e umas poucas malas com os pertencentes de António Sanhá na rua. O agente municipal responsável pela demolição avisou os ativistas para não passarem a linha de segurança definida, mas entre as trocas de palavras mais serenas, seguidas de resistência às ordens, os ativistas conseguiram obrigar as autoridades a recuarem e a terem de voltar noutro dia. Sentaram-se no chão e os trabalhos pararam. "Vamos embora. Por hoje", disse ao i um polícia municipal.

Contudo, o i apurou que numa das casas adjacentes à que iria ser demolida, e dentro da zona de segurança estabelecida, se encontravam oito pessoas: duas mulheres adultas e seis crianças, sendo que a mais nova tinha 8 anos e a mais velha 16. 

Entretanto, chegou ao local Mariana Mortágua, deputada pelo Bloco de Esquerda. "Estas demolições são uma clara violação dos direitos humanos das pessoas que aqui vivem e que não têm nenhuma alternativa de habitação", disse Mortágua. A deputada referiu ainda que o seu partido está disposto a "usar todos os instrumentos" à sua disposição na Assembleia da República para travar os despejos e se garantir uma habitação condigna aos moradores do bairro. 

No local também estiveram presentes Maria Deolinda, vereadora bloquista na Câmara da Amadora, e Ricardo Gouveia, deputado municipal pelo mesmo partido. 

Há dois anos que a Câmara Municipal da Amadora, liderada pela socialista Carla Tavares, pretende erradicar o bairro de construção ilegal 6 de Maio ao abrigo do Programa Especial de Realojamento, lançado em 1993. Antes das demolições, viviam no bairro cerca de três mil pessoas, mas hoje restam apenas entre 35 a 40 famílias, segundo números dos próprios moradores. 

O i acompanhou a intervenção no bairro 6 de Maio que teve lugar esta quinta-feira a partir das 8h da manhã. Leia amanhã a reportagem na edição em papel. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×