25/9/18
 
 
Carlos César: "O nosso único lóbi é o interesse nacional"

Carlos César: "O nosso único lóbi é o interesse nacional"

Filipa Traqueia 28/11/2017 15:14

O presidente do PS explicou que a primeira aprovação serviu para fazer uma melhor "reflexão" sobre a proposta

Carlos César afirmou na manhã desta terça-feira à SIC Notícias que a alteração do sentido de voto face à proposta do Bloco de Esquerda para que fosse aplicada uma contribuição extraordinária às empresas de energias renováveis resultou de uma “reflexão mais apurada sobre as consequências” e sobre os “impactos reputacionais” e “jurídicos”.

“Fizemos a nossa reflexão, em resultado dessa reflexão entendemos que seria precipitado adotar estas contribuições sem que houvesse uma reflexão mais apurada sobre as suas consequências, sobre os seus impactos reputacionais e sobre também os seus impactos jurídicos”, afirmou o presidente do PS e líder da bancada parlamentar.

Questionado sobre a existência de lóbis da energia, uma acusação feita no discurso final de Mariana Mortágua, Carlos César recusa a ideia afirmando que o PS não cede a lóbis de qualidade nenhuma. “O nosso único lóbi é o interesse nacional”, rematou o deputado.

Sobre a forma como foi conduzido o processo, Carlos César justificou que a intenção do PS era “não prejudicar este processo”. O Bloco de Esquerda apresentou duas propostas, tendo a primeira sido rejeitada pelos socialistas, e a segunda “conversada com alguns membros do governo”. “Nós votámos favoravelmente a esta segunda proposta do Bloco de Esquerda para não prejudicar a sua aprovação, condicionando-a a uma nova votação”, explica.

Depois de tanta “reflexão”, o voto acabou por ser contra. No entanto, Carlos César confirma concordar com a proposta “em tese”. “Concordo em tese que estas rendas são excessivas e concordo também com o que resultou da nossa reflexão”, afirmou. “É que o governo neste ano de 2018 deve estar obrigado a proceder a uma reflexão sobre o sistema regulatório do setor energético de forma a, por um lado, diminuir estas rendas excessivas e, por outro lado, diminuir a fatura que os portugueses em geral pagam pela eletricidade”, acrescentou o presidente do PS.

Carlos César deixou bem claro que os partidos que compõem o acordo parlamentar são diferentes mas que dependem todos uns dos outros. “Aqueles que nos apoiam dependem do nosso desempenho como governantes, e nós dependemos também do desempenho não só dos que nos apoiam como também da oposição”, afirmou.

Se a geringonça está em risco, Carlos César não disse, mas reforçou a “dinâmica muito própria” do acordo feito. “O Bloco de Esquerda e o PCP transmitem-nos impulsos que nos tornam por vezes mais ousados e também devemos dizer que nós transmitimos outros impulsos ao Bloco de Esquerda e ao PCP que os tornam menos extremistas, mais responsáveis e mais conscientes da realidade e aquilo que é possível em cada momento fazer”. 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×