26/9/18
 
 
PSD. Rio acusa Santana de colaborar com o governo do PS

PSD. Rio acusa Santana de colaborar com o governo do PS

Ana Nabais Sebastião Bugalho 13/11/2017 14:51

Rio voltou a atacar o facto de António Costa ter convidado Santana a ficar como provedor da Santa Casa, reclamando “maior liberdade” que o seu adversário. O PSD não ser “de direita” foi outra bandeira repetida no fim-de-semana.

“Eu não devo nada ao primeiro-ministro. Nunca colaborei com este governo. Nunca fui nomeado para nada”. Foi assim que Rui Rio respondeu, por comparação a Pedro Santana Lopes, sobre a “maior liberdade” que acredita ter enquanto futuro líder da oposição a António Costa.

As farpas eram evidentes, tentando explorar o facto de Santana, que concorre contra si para suceder a Passos Coelho na liderança do PSD, ter sido reconduzido pelo atual governo como Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

O pormenor, aí, conta, na medida em que Santana Lopes foi nomeado primeiramente pelo governo de Pedro Passos Coelho, do PSD. António Costa, do PS, reconduziu-o no cargo. Para Rio, tal simbolizará uma “dívida” do ex-provedor ao primeiro-ministro, que lhe retirará “liberdade”. Uma “colaboração”.

Contactado pelo i, fonte próxima da campanha de Santana reage com ironia. “O dr. Pedro Santana Lopes foi nomeado por Pedro Passos Coelho e não por António Costa. Que o dr. Rui Rio tenha dificuldades em ver a diferença entre um e outro, não é novidade. Que eu me lembre, o nome do PSD que Costa nomeou quando chegou ao governo foi outro. Chama-se Professor Pacheco Pereira, e até apoia o dr. Rui Rio”.

Os dois candidatos à liderança social-democrata estiveram, este fim-de-semana, no mesmo local, não se tendo todavia cruzado. Rio e Santana foram ao Conselho Nacional da JSD (a Juventude Social-Democrata) apresentar a sua visão para o partido e para o país. A ‘jota’, que decretou liberdade de voto aos seus militantes, terá o seu presidente, Simão Ribeiro, com Santana.

Em Coimbra, onde se deu o Conselho Nacional ‘laranjinha’, Rui Rio tornou a falar na necessidade de um esclarecimento ideológico do partido: “A direita não é o PSD, a direita pode ser o CDS e com certeza que é, assim como a esquerda será o BE, o PCP e em grande medida o PS. O PSD é um partido de centro e é esse espaço que deve e tem de ocupar, não só porque é nossa convicção, mas também porque é o espaço que temos à nossa disposição”, disse.

 

Não ser oposição ‘do contra’

“Comigo como líder do partido não haverá discordância todos os dias. Haverá concordância no que deve haver e alternativa naquilo em que ela deve ser levada a cabo”, afirmou, por outro lado, Pedro Santana Lopes aos jornalistas, à saída de Coimbra.

O social-democrata deu este fim-de-semana uma entrevista à “TSF” em que rejeitava a lógica de “crítica pela crítica”, admitindo não ter problemas em elogiar os “bons resultados” dos membros do governo que os conseguissem. “Sou português, por amor de Deus”, sorriu.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×