23/2/20
 
 
Imigrantes fazem protesto em frente ao SEF

Imigrantes fazem protesto em frente ao SEF

AFP Ricardo Cabral Fernandes 25/10/2017 19:44

A falta de resposta aos processos de regularização dos imigrantes no país tem colocado muitos em situações difíceis e de desproteção social

Cerca de 45 imigrantes encontram-se neste momento a protestar em frente às instalações do Serviço Estrangeiros e Fronteiras, perto do Marquês de Pombal, contra a resposta tardia dos seus processos de legalização, sendo que alguns deles se encontram à espera dos documentos de residência há dois e três anos. 

Os imigrantes, que na sua maioria trabalham no setor da agricultura, vieram de todo o país, mas principalmente do Alentejo e Algarve, para obterem respostas sobre a sua situação no país.

“Protestamos porque não nos dão o cartão de residência. Paguei as taxas para fazer os documentos há dois anos e ainda estou à espera deles. Há pessoas que chegaram há um mês e que os recebem e nós, que estamos aqui desde 2015, não os recebemos”, disse Shaid Buttah ao i. “Viemos para este país para trabalhar e não podemos. Temos de esperar, esperar e esperar”, afirmou. “Não vamos sair daqui. Precisamos e queremos respostas. Viemos de longe para ficarmos aqui, de diferentes cidades por todo o país”.

Shaid Buttah referiu ainda que “ninguém quer saber de nós” e que “o meu patrão diz que se me quero ir embora, que vá”, referindo-se à falta de proteção social da qual os imigrantes são alvo no país. 

“Continuamos a receber cartas de pessoas que estão há 40, 35, 24 meses a trabalhar e a descontar” e que “continuam a aguardar um título de residência ou um despacho favorável ao seu processo”, disse Anabela Rodrigues, dirigente da Associação Solidariedade Imigrante, ao i em entrevista.

A associação calcula “em cerca de 30 mil” os imigrantes em situação irregular em Portugal, referindo as condições muito díficeis em que vivem, principalmente na agricultura. “Dividem casas entre 4,5 e 8 pessoas, porque se quiserem arrendar casa não conseguem por não terem condições para isso”, afirmou. “Há casos em que o patrão não paga porque a pessoa não tem o número de segurança social, ficando em situações de vida muito difíceis”, explicou. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×