19/10/17
 
 
Palestina. Fatah e Hamas anunciam fim da sua guerra de dez anos

Palestina. Fatah e Hamas anunciam fim da sua guerra de dez anos

KHALED DESOUKI Jornal i 12/10/2017 17:05

Os territórios palestinianos podem reunir-se. Fatah vai ocupar-se do governo em Gaza e acabar sanções. 

As duas grandes organizações palestinianas chegaram esta quinta-feira a um “acordo final” com que prometem acabar a divisão dos territórios e a guerra que levam mais ou menos abertamente há dez anos – e que por várias vezes pareceu resolvida com acordos de paz que acabaram tombando.

“Dou as boas-vindas ao acordo”, reagiu esta quinta o presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, o líder da Fatah. “Recebi um relato detalhado por parte da delegação da Fatah, falando do que foi negociado e considero que o acordo final acaba com a divisão.”

Existem reservas quanto ao acordo, negociado sob a égide do Egito, onde foi também anunciado. Alguns observadores suspeitam que o Hamas, o movimento radical islamista que controla Gaza, quer apenas ver-se poupado às sanções do governo da Fatah na Cisjordânia.

A selar de facto as fraturas entre os movimentos, porém, o acordo desta quinta pode representar uma nova era na política palestiniana, unindo os dois territórios e recuperando alguma legitimidade internacional – os defensores de um Estado palestiniano encaram a fratura entre os grupos como um dos principais problemas no diálogo.

Apesar de fracassos passados, o acordo de ontem parece mais credível: o Hamas, de resto, perdeu recentemente o financiamento vindo do Qatar e está a braços com uma das maiores crises económicas em Gaza; e a Fatah, por seu lado, moderou também a resposta ao rival. 

O acordo levantará as barreiras ao fornecimento da eletricade para Gaza, restituirá um emprego a dezenas de milhares de empregados da Autoridade Palestiniana no território e, em troca, o governo de Gaza passará para as mãos de um executivo de unidade liderado pela Fatah de Abbas.

A Fatah controlará também a travessia fronteiriça para o Egito, assim como uma nova força militar conjunta. Abre-se um “novo capítulo na História palestiniana”, lançava um porta-voz do Hamas, Salah al-Bardawil, nada dizendo, como o acordo, sobre o futuro dos cerca de 25 mil militantes armados do grupo. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×