22/9/18
 
 
Comida saudável. O que nos dá saúde está a matar o planeta

Comida saudável. O que nos dá saúde está a matar o planeta

Marta Cerqueira 22/09/2017 10:01

De repente, todos queremos comer a quinoa do Peru, a curgete em forma de esparguete ou substituir a carne de porco da feijoada por grãos de soja bem temperados. Pode ser melhor para a saúde - e até isso não é consensual -, mas a verdade é que o aumento do consumo generalizado deste tipo de alimentos levanta questões sobre a produção que, num ápice, teve de passar a alimentar o mundo inteiro
 

Quinoa 

A quinoa é tão banal no Peru e na Bolívia como o arroz em Portugal. O aumento da procura deste superalimento veio, por um lado, injetar capital nestes países produtores mas, por outro, aumentar os preços do produto final. Passou assim a estar disponível em todo o mundo, mas empurrou as pessoas que o produzem para fora do mercado, uma vez que deixaram de ter dinheiro para comprar o produto que sempre fez parte das refeições diárias. Em 2013, o Departamento Agrícola norte-americano avançou que as exportações mundiais de quinoa do Peru aumentaram mais de 750% desde 2007, atingindo um total de 12 mil toneladas exportadas em 2012.

Em Portugal, já é possível encontrar esta semente em quase todos os supermercados e já são muitos os restaurantes a ter pelo menos um prato que tem por base quinoa. Agora, até é possível comprar este produto com selo nacional. Em Barcelos, começou recentemente a produzir-se quinoa, com a garantia de que tem 15 gramas de proteínas, quantidade superior à encontrada na soja, no trigo, no arroz e na aveia.

Abacate

Em batidos, às fatias, barrados em tostas, em forma de guacamole ou simplesmente à colherada. Há mil formas de comer abacate e todas parecem fazer sucesso. É vê-lo estampado em t-shirts, a servir de porta-chaves e a compor o menu de restaurantes que, há uns anos, provavelmente nem conheciam este fruto. Apesar de ser rico em gordura, fala-se aqui de calorias “do bem”, palavras mágicas para quem não quer ganhar peso nem perder o sabor rico dos alimentos. Problema? A procura por abacate está a encarecer o fruto, o que, por sua vez, tem aumentado a criminalidade em países como o México e a Nova Zelândia. Desde assaltos a plantações até cartéis que obrigam os donos das terras a darem uma percentagem dos lucros, há de tudo. Mas se isto não for suficiente para pensar duas vezes antes de enfiar o nacho na tigela de guacamole, deixamos um número perturbador: para produzir um quilo de abacate são precisos cerca de 250 litros de água.

Legumes

Com esta é que nos apanharam. Depois de anos a ouvir que os legumes são fundamentais e que a produção animal, além de nos pôr o coração em risco, é um dos maiores agentes poluidores do mundo, eis que chega a teoria de que uma alimentação vegetariana pode ser prejudicial ao ambiente. Um estudo da universidade norte-americana Carnegie Mellon, na Pensilvânia, compara o custo ambiental da produção de vegetais com outro tipo de alimentos, como a carne de porco, e conclui que a alimentação vegetariana é a mais prejudicial para o meio ambiente no que toca à emissão de poluentes e consumo de recursos naturais. Uma caloria de alface, por exemplo, “é três vezes pior em termos de emissão de gases com efeito de estufa do que [uma caloria de] bacon”, dizem os investigadores. Além da alface, o estudo usa ainda o exemplo da beringela, do aipo e do pepino, apresentando-os como mais prejudiciais ao ambiente do que a carne de porco ou frango.

Soja

Para não sacrificar os animais, vegans e vegetarianos optam pela soja como alternativa. Muitos sem saber certamente que esta opção está a contribuir para a desflorestação da Amazónia. Para que seja economicamente viável, o cultivo da soja tem de ser feito em terrenos de grandes dimensões, o que resulta na desflorestação do Brasil, que está prestes a ultrapassar os Estados Unidos em termos de produção mundial. Em toda a América Latina, as zonas mais afetadas são a Amazónia, o Gran Chaco e as Florestas Atlânticas, com quase quatro milhões de hectares destruídos anualmente. Mais números? O Brasil possui 22 milhões de hectares de cultura de soja. Só a desflorestação neste país é responsável por 473 milhões de toneladas de dióxido de carbono libertadas para a atmosfera. E se o ambiente não é razão suficiente para moderar o consumo deste alimento, talvez saber que provoca disfunções nos níveis de estrogénio e que está ligado à desregulação da tiroide ajude.

Curgete

Se é daquelas pessoas atentas aos preços no supermercado, há de ter reparado que, há uns meses, a curgete atingiu preços dignos de serem partilhados nas redes sociais. Foi isso que aconteceu. Ninguém percebia o porquê de o legume custar quase cinco euros o quilo, mas a verdade é que esta situação é resultado da conjugação de dois fatores. O primeiro chega com o aumento do consumo de curgete, principalmente devido à moda do espiralizar - transformar legumes em esparguete de maneira a enganar os olhos e o cérebro enquanto se come com menos calorias. O segundo está relacionado com a vaga de frio que atingiu a Espanha e França, dois dos principais países exportadores de curgete para a Europa. Em Portugal não se chegou a este extremo mas, no Reino Unido, os supermercados passaram a limitar a quantidade de curgete que cada cliente podia comprar. Esta restrição abrangeu também outras verduras, como a alface e os brócolos.

Frutos secos

E. de repente, o leite de vaca que nos mandavam beber aos litros, afinal, faz mal. Esta demonização fez com que as alternativas vegetais subissem de uma forma exponencial, principalmente aquelas feitas à base de frutos secos. O problema está nas implicações da produção deste tipo de alimentos. Uma simples amêndoa precisa de cinco litros de água para crescer. A Califórnia, onde se produzem 82% das amêndoas a nível mundial, passou já por quatro anos de seca consecutivos e os agricultores põem as culpas na amêndoa. 

Já o caju, outros dos frutos secos mais apreciados, tem uma produção que levanta sérias questões humanitárias, uma vez que os processos pelos quais passa até ficar da forma que o conhecemos obriga a que os trabalhadores entrem em contacto com o ácido anacárdico, um composto químico do caju que pode provocar erupções cutâneas. Note-se que 60% da produção de caju vem da Índia, país onde um trabalhador desta indústria ganha menos de dois euros por dia.
 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×