27/2/20
 
 
Portugal consegue sair do “lixo”. Mas afinal o que significa?

Portugal consegue sair do “lixo”. Mas afinal o que significa?

shutterstock Sofia Martins Santos 18/09/2017 11:12

A Standard & Poor’s decidiu subir o rating para BBB-, o primeiro nível acima de “lixo”. O governo fala de garantia para a estabilidade financeira e orçamental, enquanto a Europa diz que é necessário manter o rumo de consolidação das contas. O i falou com vários economistas para perceber do que estamos a falar.

Cinco anos e meio depois de Portugal ver a descida de rating para o nível “lixo”, o país assiste a uma inversão. A Standard & Poor’s (S&P) decidiu subir o rating para BBB-, o primeiro nível acima de “lixo”. As notícias não podiam ser melhores, ainda que os riscos e os avisos continuem a ser mais do que muitos. Mas afinal o que significa estar ou sair do “lixo”?

Ao i, o economista Eugénio Rosa explica que “quem empresta tem de ter este tipo de informação das agências para pedir mais ou menos juros. Não é mais do que o risco dos países ou das empresas. Tem a ver com a capacidade de cumprir compromissos e de se pagar o que se deve”. No fundo, é importante na ótica do credor porque quer dizer que “determinado país ou empresa tem maior capacidade de pagar o que está a dever. Além disso, esta subida pode determinar que o Estado pague taxas de juro mais baixas”.

Mas a decisão desta agência de rating não é tão surpreendente como se possa pensar –  “Com a economia a crescer é normal que exista esta melhoria”, diz Eugénio Rosa

Também Mira Amaral explica: as agências “dão notas às empresas ou países em termos de riscos de investimento. Quando estão no lixo, não se deve investir nesses países. Quando sai, o sistema pode investir na dívida pública do país”.

Agora, de acordo com o economista, “podemos sentir uma melhoria nas taxas de juro. Também o rating das grandes empresas deverá melhorar. Mas não vai ser uma coisa radical. É processo muito gradual”.

De forma a explicar melhor o que significa para Portugal a subida do rating, João Duque compara o sistema com a atribuição de notas escolares. “É passar de ter notas negativas para ter positivas. É dar um sinal de que já não estamos perante a elevada probabilidade de incumprimento. É normal que os mercados acompanhem isto porque quer dizer que agora já podem investir em Portugal”. Além disso, “cada vez se pede menos para se emprestar a Portugal”. Um cenário que tem potencial para “trazer novos investidores ao mercado da dívida”.

Também Eduardo Catroga afirma que tudo se resume ao facto de “um risco maior significar uma taxa de juro maior. O que Portugal fez foi conseguir mostrar que o risco, maior ou pior, é aceitável. No fundo, Portugal conseguiu recuperar a confiança internacional”.

 

Outras decisões

Há mais de cinco anos que a S&P tinha Portugal no nível “lixo”. Até à passada sexta-feira, a DBRS era a única agência que tinha a dívida portuguesa em nível de investimento. Moody’s e Fitch mantêm o país no “lixo”, ainda que as perspetivas sejam positivas.

Para se perceber a importância desta mudança de perspetiva por parte da S&P, Mário Centeno, ministro das Finanças, explica que esta “decisão abre caminho ao alargamento da base de investidores na dívida da República Portuguesa e, assim, à melhoria das suas condições de financiamento”. Um efeito que, de acordo com o responsável pela pasta das Finanças, “permitirá a melhoria das condições de financiamento das famílias e empresas portuguesas”.

 

O que é uma agência destas?

Quando falamos de uma agência de notação financeira, falamos de uma empresa que tem como um dos objetivos avaliar o risco de outras empresas ou até mesmo de países. O trabalho feito por estas empresas é de especial importância tendo em conta que servem como medidor para os investidores que têm de ter uma noção do risco de uma empresa em relação a outras. No fundo, quando alguém empresta dinheiro a uma organização ou a um país, que ter a garantia de que recebe o dinheiro de volta. Assim, os ratings atribuídos por estas agências permitem aos investidores compararem os títulos de dívida das empresas ou dos países, com base no seu risco.

Para fixar o rating de uma empresa ou de um país são tidos em conta vários aspetos como a estabilidade social, a estabilidade política e a sustentabilidade das finanças públicas.

 

As agências mais importantes

Existem várias agências, mas apenas quatro dão reconhecidas pelo Banco Central Europeu (BCE) para avaliar o risco de estados e empresas. Falamos da Fitch, da Moody’s, da Standard & Poor’s e da DBRS. Normalmente, são empresas que têm como acionistas grandes grupos de investimento. 

Chegou a ser discutida a criação de uma agência pública europeia, mas levantaram-se desde logo problemas relacionados com a credibilidade já que poderia não atuar de forma isenta em relação aos estados europeus.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×