23/10/17
 
 
Carlos Queiroz: ‘Não tenho contas para acertar com ninguém!’

Carlos Queiroz: ‘Não tenho contas para acertar com ninguém!’

Diana Tinoco Afonso de Melo 13/08/2017 14:20

Queiroz esteve em Lisboa e falou de tudo antes de regressar para lá de Teerão. Com a tranquilidade que só a vida vai dando..

 

Tenho na minha frente um homem tranquilo.

Os anos passaram em catadupa sobre nós dois, mas isso não mudou a forma de nos vermos um ao outro.

Profissões paralelas, por vezes.

Pode ser que, pela teoria euclidiana, elas só se encontrem no infinito. Mas as nossas desmentem isso, cruzando-se há quase três décadas.

Alfredo Farinha - um mestre!; um mestre! - escreveu certa vez: «Quando comecei a escrever em jornais, o meu propósito, a minha ambição, o meu sonho, era ser jornalista da Grande Imprensa. Ir à procura da vida no meio da vida, ir ao encontro dos acontecimentos onde eles acontecessem, conhecer os problemas dos homens, devassar o segredo das coisas desconhecidas, saber as razões dos êxitos e dos fracassos da grande sociedade, ouvir os políticos falarem de política, os economistas de economia, os artistas de arte, descrever os contrastes entre os dramas da fome e os esplendores da opulência, contar as histórias verídicas da paz e da guerra - e analisar, comentar, criticar tudo o que visse e ouvisse, com lealdade, com verdade, com o desejo de esclarecer e de ser útil».

Nunca li, em qualquer outro lado, uma tão bela declaração de amor a uma profissão que merecia não ter sido abastardada, vilipendiada por dentro, suicidária.

Hoje, tenho na minha frente um homem tranquilo e há entre nós uma amizade que o tempo reforçou.

Estou aqui para ouvi-lo, para questioná-lo, para que se exponha. Ele que sempre prezou uma teimosa descrição.

Estamos na Rua do Norte, no Bairro Alto, como já estivemos em tantos sítios do mundo.

E não me surge a pergunta inicial.

Apenas a conversa desenrolando-se ao ritmo da tarde morna, o sol alto do meio dia, tempo da sombra mais curta.

Comecemos, se não te importas, apenas por uma reflexão. Tua, claro. E que seja sobre a relação que tens hoje para com Portugal…

Há tempo em que pensamos que é na uniformidade, ou na unicidade, da opinião que está a virtude. Depois vamos amadurecendo. Hoje faço questão que existam certas pessoas que não me apreciam…

Que te sejam distantes…

Escuta. O que faço questão, hoje em dia, é dessa mesma diferença. Que tenhamos posições diversas, por vezes contrárias. Não que as minhas ideias sejam melhores ou piores do que as dos outros… não é disso que se trata.

Há aqui um pormenor que quero introduzir na conversa. Ou um ‘por maior’. Houve um tempo que, aqui, em Portugal estiveste no topo. Foste considerado o exemplo do que deveria ser o treinador português. Vendo bem, representavas o futuro. Sentes isso?

Sinto, claro.

Leia a entrevista completa na edição impressa do SOL.

 

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×