23/10/19
 
 
Incêndio. Fábrica de móveis “completamente destruída”

Incêndio. Fábrica de móveis “completamente destruída”

Ana Carvalho 31/07/2017 09:27

Gestor garante que a empresa “de referência” será reabilitada “o mais rapidamente possível”, sem despedimentos

Um incêndio destruiu ontem “completamente” uma fábrica de móveis situada na zona industrial de Lordelo, concelho de Paredes, distrito do Porto, onde trabalhavam perto de 50 pessoas, disse fonte dos bombeiros.

O alerta para o fogo terá sido dado pelas 05h16 mas, quando os bombeiros chegaram ao local, “a fábrica já estava toda tomada” e ficou “completamente destruída”, tendo sido possível apenas “salvar a parte dos escritórios”, informou o comandante dos Bombeiros de Lordelo, José Freitas. 

Em declarações à agência Lusa pelas 12h00, o responsável indicou que o incêndio, combatido por elementos de “nove corporações”, foi “dominado pelas 10h00”, mantendo-se no local 72 homens, 21 viaturas e duas máquinas de rastos”, numa fase de “rescaldo e vigilância” que deve prolongar-se “por umas longas horas”.

“Quando chegámos ao local, a fábrica estava já completamente tomada. Ficou completamente destruída a parte fabril. A única coisa que conseguimos proteger e salvar foi a parte dos escritórios”, descreveu o comandante, citado no “Diário de Notícias”.

O autarca de Paredes diz ter indicação de que existe “seguro para cobrir os prejuízos” e empenho para reabilitar a fábrica “o mais rapidamente possível”.

Reativação sem despedimentos O proprietário da fábrica ontem destruída pretende reativar a unidade em “quatro ou cinco meses” e vai continuar a produção para responder a encomendas, sem despedimentos, revelou o presidente da Câmara de Paredes.

Em declarações, Celso Ferreira esclareceu que o empresário do setor do mobiliário está “determinado a reabilitar a empresa o mais rapidamente possível, no prazo de quatro ou cinco meses, naquele ou noutro local” do concelho, ao mesmo tempo que, devido às “muitas encomendas”, pretende manter a produção, nem que seja necessário “distribuí-la por vários locais” e “sem [fazer] despedimentos”.

“Trata-se de uma excelente empresa, de referência no concelho de Paredes, e já coloquei os serviços da câmara à disposição do empresário para que não seja pela burocracia que a reabilitação da fábrica não se faz o mais rapidamente possível”, afirmou o autarca.

Celso Ferreira explicou ter falado com o proprietário da empresa mal teve conhecimento do fogo, que começou pelas 05h00 e destruiu completamente a fábrica de móveis situada na zona industrial de Lordelo.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×