21/8/17
 
 
Turismo. Setor não para de crescer e está a caminho de bater novos recordes

Turismo. Setor não para de crescer e está a caminho de bater novos recordes

Miguel Silva Sónia Peres Pinto 16/06/2017 08:58

Lisboa tem contribuído, em grande parte, para este crescimento do turismo. E os números falam por si: a taxa de ocupação hoteleira aumentou na capital, assim como o preço médio por quarto. Esta subida é também acompanhada pelos números recorde de turistas que chegam pelo aeroporto da Portela e pelo porto de Lisboa

Portugal está a caminhar a passos largos para registar o melhor ano de sempre no turismo. Se 2016 já tinha sido um ano de recordes, os primeiros quatro meses de 2017 já revelam um crescimento ainda maior. E os números falam por si: o nosso país recebeu até abril mais de 5,3 milhões de turistas, o que representa um aumento de 10,9% face ao ano passado. E os proveitos dos hotéis somaram 714,8 milhões de euros, mais 18,7%, revelam os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Já a estada média (2,70 noites) aumentou 2,5%, com crescimentos mais notórios no centro (6,9%) e Algarve (5,9%). Ainda assim, Lisboa não escapou a esta tendência e aumentou 2,1%. Quanto à taxa líquida de ocupação-cama (53,8%) apresentou uma variação de +8,9 pontos percentuais e cresceu em todas as regiões. No entanto, as taxas de ocupação mais elevadas ocorreram na Madeira (74%) e na área metropolitana de Lisboa (66,3%).

As dormidas em hotéis (68,8% do total) apresentaram um crescimento de 24,1%. Mas foram registados aumentos nas dormidas em todas as tipologias, com destaque para a evolução verificada nos aldeamentos turísticos (39,9%) e nas pousadas (32,4%).

O mercado externo continua a dar um fôlego ao setor do turismo. Os treze principais mercados emissores representaram 84,9% do total das dormidas de não residentes e apresentaram resultados maioritariamente positivos.

O Reino Unido continua a liderar o ranking dos visitantes ao representar um peso de 21,3% do total de dormidas de não residentes. Este valor é equivalente a um aumento de 12,7% em abril e superior ao verificado nos primeiros quatro meses do ano, que se situou em 8,1%.

Já o mercado alemão (14,6% do total) cresceu 20,5% em abril, apresentando um crescimento de 10,7% no primeiro quadrimestre do ano. Por seu lado, os visitantes espanhóis – responsáveis por 11,8% do total e tradicionalmente sensíveis ao “efeito Páscoa” – apresentou um crescimento de 102,5%. Feitas as contas, entre janeiro a abril, verificou-se um crescimento de 7,7%.

Mais modesto está o crescimento proveniente dos turistas franceses. As dormidas de residentes em França (10,5% do total) desaceleraram para um aumento de 2,0%, após aumentos significativos nos três primeiros meses do ano (23,0% em março, 15,8% em fevereiro e 13,8% em janeiro). Nos primeiros quatro meses do ano este mercado cresceu 10,5%.

Entre os principais países, destacam-se ainda os crescimentos apresentados em abril pelos mercados brasileiro (61,0%), polaco (49,8%), irlandês (30,3%), belga (22,6%) e americano (22,0%). Estes mercados também se destacaram na evolução entre janeiro e abril, especialmente o Brasil (60,5%) e a Polónia (39,4%).

Capital sempre a subir

Lisboa é um dos principais mercados a impulsionar este crescimento, ao registar um aumento de dormidas na ordem dos 15,2%. Mas no conjunto dos quatro primeiros meses do ano, todas as regiões apresentaram um aumento da procura por parte dos mercados externos, sobressaindo a zona centro (25,6%), mas também a área metropolitana de Lisboa (18,4%) e o norte (17,7%).

E os dados do Observatório do Turismo de Lisboa falam por si. A ocupação média por quarto subiu para os 85,76% (+7,8%), com os estabelecimentos hoteleiros de tês estrelas a registarem um crescimento de 9,4%.

Também o preço médio por quarto vendido, registou uma subida percentual de 19% em relação ao mês homólogo do ano anterior, bem como o preço médio por quarto disponível (RevPar), que à semelhança do mês passado, teve um aumento de 28,3% no período em análise.

Os dados do Observatório do Turismo de Lisboa dizem ainda que a subida mais relevante na capital registou-se ao nível dos estabelecimentos de quatro estrelas, ao subir quase 30%.

No acumulado de janeiro a abril registou-se igualmente a tendência de crescimento em todos os indicadores na cidade de Lisboa: mais 12,4% na ocupação de quarto, mais 59,9% no preço médio de quarto vendido e mais 23,5% no preço médio por quarto disponível.

Taxa turística rende mais de 3 milhões

Com o aumento do turismo em Lisboa também as receitas provenientes da taxa turística disparam. Só nos três primeiros meses do ano, a autarquia recebeu 3,3 milhões de euros com as dormidas na cidade. Deste total, 1,1 milhões de euros são resultado das taxas aplicadas pela plataforma de alojamento local, a Airbnb, no âmbito do protocolo entre esta plataforma e a autarquia.

Feitas as contas, desde a sua entrada em vigor – a 1 de janeiro de 2016 – o total dos pagamentos efetuados no âmbito da taxa municipal turística sobre dormidas somou já um total de 16,7 milhões de euros, sendo 2,8 milhões de euros provindos da Airbnb.

Recorde-se que é cobrada uma taxa de um euro por noite até um máximo de sete euros sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras ou de alojamento local. Estão apenas isentos de pagamento as crianças até 13 anos, assim como quem pernoita na cidade para obter tratamento médico e os seus acompanhantes.

Aeroporto e porto de Lisboa também batem recordes

Os aeroportos nacionais voltaram a registar uma subida nos três primeiros meses do ano, com o número total de passageiros a ultrapassar os oito milhões, um aumento de 18% face a igual período do ano passado, revelam os dados da Anac. O regulador diz ainda que a maior variação de passageiros ocorreu em Lisboa, ao crescer 21%, o que fez o aeroporto da capital ultrapassar a fasquia dos cinco milhões. Esta é a subida mais acentuada desde 2008, ano em que a Anac começou a disponibilizar os dados.

Os turistas também chegam através do porto de Lisboa e, também aqui, está previsto bater números recorde. Durante o mês de maio foram esperadas 52 escalas de cruzeiro e cerca de 77500 passageiros, o que representa um crescimento de 27% e 21%, respetivamente, face às 41 escalas e 64204 passageiros contabilizados em maio de 2016. Aliás, num só dia – 25 de maio – a capital recebeu seis navios de cruzeiro e cerca de 13 mil passageiros.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×