25/05/2022
 
 
André Abrantes Amaral 08/06/2017
André Abrantes Amaral

opiniao@newsplex.pt

May we say goodbye?

No entender de Fraser, três teorias explicam esta viragem à esquerda. 

Fraser Nelson, editor da “Spectator”, escreveu a 20 de maio um texto sobre o manifesto vermelho de Theresa May para as eleições que têm lugar hoje no Reino Unido. Vermelho, porque recupera propostas do ex-líder trabalhista, Ed Miliband, como o aumento do salário mínimo para 9 libras/hora, o imposto sobre imóveis de alto valor e até o taxar os empregadores para financiar a formação dos novos empregados. Theresa May tornou-se a líder dos conservadores mais à esquerda desde há 40 anos.

No entender de Fraser, três teorias explicam esta viragem à esquerda. A primeira é que May quer ganhar o maior número possível de deputados ao Labour. A segunda, que May precisa de se afirmar entre os conservadores. A terceira é a mais inquietante: com o Brexit, os tories estão mais preocupados com a ideia de país e relegaram a liberalização económica para outra oportunidade.

O Brexit monopoliza de tal forma as preocupações dos conservadores que estes esqueceram as reformas que tinham de fazer para tornar o Estado menos gastador e mais justo. Segundo Fraser, muitos conservadores anteviram isso mesmo e, por isso, apoiaram o remain. O certo é que o Brexit venceu e o programa da direita britânica tornou-se uma passadeira vermelha para o socialismo que julgávamos guardado no baú. E quando May, enquanto ministra do Interior, cortou nas receitas da polícia, os conservadores, que não conquistam a esquerda copiando--a, acabam por perder a direita. Uma mulher não é Margaret Thatcher só por ser mulher. 

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline