23/9/18
 
 
António Capucho: ‘PSD deve tirar conclusões se houver derrota nas autárquicas’

António Capucho: ‘PSD deve tirar conclusões se houver derrota nas autárquicas’

Diana Tinoco António Bilrero 09/05/2017 10:34

Mantém que só regressará ao PSD quando o partido regressar à matriz social-democrata. Os melhores momentos na política viveu-os enquanto autarca.

Como analisa a sua saída de candidato a cabeça de lista para a Assembleia Municipal de Sintra?

Com toda a naturalidade. Embora Marco Almeida tivesse insistido em que eu pudesse continuar como cabeça de lista, a verdade é que a solução encontrada é normal.

Porquê?

Porque a generalidade dos acordos PSD/CDS implicam a presidência da câmara para o PSD e a da  lista para a assembleia municipal para o CDS. Por outro lado, o CDS não indicou um ‘Zé Ninguém’. Apontou para alguém que foi líder do partido, um ex-presidente da Assembleia Municipal de Sintra que está muito ligado a Marco Almeida. É um amigo do nosso movimento independente. Perante isso, disse que estou perfeitamente disponível para continuar a apoiar  Marco Almeida, enquanto candidato independente a Sintra, apoiado pelo PSD e pelo CDS, mas abdico. Não tenho mesmo qualquer problema em abdicar da posição de número um da lista para a Assembleia.

Mantém-se envolvido, é isso?

Seguramente. Isto não quer dizer que a minha posição seja de afastamento da candidatura. Bem pelo contrário. Ainda ontem (quarta-feira) estive numa reunião promovida pelo Marco Almeida com todos os autarcas eleitos e os principais apoiantes do movimento para se traçarem as linhas gerais da candidatura. Continuo totalmente empenhado. Hoje mesmo [quinta-feira] vou ter uma reunião para preparar a Assembleia Municipal marcada para o próximo dia 15.

Mas vai deixar de ter atividade autárquica?

Não necessariamente. Como número um da assembleia municipal, sim. Como apoiante da candidatura de Marco Almeida, não. Repito. Continuarei a apoiar a candidatura.

As saudades da ação política autárquica vão apertar?

Por que diz isso? Não, não sei se vou deixar os órgãos autárquicos. Porque a lista para a Assembleia Municipal tem 33 nomes, a lista para a Câmara tem 11 e há ainda 11 freguesias no concelho.

Está a querer dizer alguma coisa que não se saiba? Não vai ser número um à Assembleia Municipal mas será candidato?

Não. Sinceramente não tenho nada previsto. Neste momento é uma questão que nem se põe. O que quero dizer é que não estou afastado de nada; bem pelo contrário, estou muito empenhado na candidatura de Marco Almeida. Depois é-me irrelevante, porque estou reformado, estou relativamente afastado das lides nacionais e, portanto, estarei disponível para apoiar Marco Almeida noutra circunstância, noutros propósitos que ele possa eventualmente ter.

O PS andou mesmo a sondá-lo?

Nunca houve uma conversa formal com os órgãos dirigentes do PS de Cascais nesse sentido. O convite, a instigação, digamos assim, para que eu pudesse avançar resultou de um contacto que tive com amigos de longa data que são personalidades relevantes do PS em Cascais e que puseram essa hipótese. Posteriormente, verificou-se que não havia condições e, portanto, a questão ficou obviamente prejudicada.

Mas afastou a ideia?

Não afastei numa primeira conversa. Afastei depois, quando as coisas se desenvolveram e verifiquei que não haveria condições. E nessa altura nem sequer sabia quem seriam os candidatos que estariam na liça, o que é que se passaria com o PSD, etc. Mas pronto. Pouco tempo depois do primeiro contacto a questão ficou prejudicada.

Saiu da Câmara de Cascais em 2011 por razões de saúde? Sente saudades desses tempos? Gostaria de voltar a ser presidente de câmara?

Em primeiro lugar, aqueles nove anos em que estive à frente da Câmara de Cascais representam a experiência política mais fecunda que eu tive… a mais interessante e a mais fecunda. Por uma razão muito simples: estamos em cima dos problemas e junto das pessoas. Contactamos diariamente com as pessoas e os problemas das pessoas.  Até vou mais longe. Com as pessoas e com as instituições. Todas elas. Associativas, de solidariedade social, desportivas, culturais, humanitárias, etc. Não houve nada que eu fizesse, e fiz tudo, em política, excepção para Presidente e primeiro-ministro, e não houve nenhum que fosse tão interessante como o de autarca. Mas regressar é muito pouco provável, até porque nestas eleições não vou regressar a nenhuma presidência de câmara, embora tenha tido alguns convites para o efeito.

Além do PS?

Sim, sim, de outros municípios.

Quais?

Não vou dizer quais. Olhe, se a memória não me atraiçoa, há quatro anos, em 2013, fui convidado para 19 municípios, que iam do de Setúbal ao de Faro, passando pelo de Lisboa. Desta vez não aconteceu, até porque sabem que estou afastado. Mas tive uma ou outra sondagem. Três para municípios da área metropolitana de Lisboa. Um pelo PSD e outros dois como independente. Portanto, agora não estou e daqui a quatro anos ainda menos estarei. Aí, estarei com 76 anos e acho que se agora já me dedico em 80% aos meus netos, nessa altura porventura já terei mais netos e mais com que me entreter.

Saída, expulsão do PSD. Chegou a afirmar que com esta direção não voltaria ao partido. Mantém?

Mantenho essa posição intransigente e claramente. Não tenho nenhuma motivação para voltar ao PSD neste momento, na medida em que desde há muito tempo que me afastei da militância partidária. Depois não saí de modo próprio. Fui expulso, decisão que do meu ponto de vista aconteceu ilegalmente.

Houve ilegalidades?

Não tenho dúvidas. A candidatura então apoiada pelo PSD em Sintra, essa sim é que era ilegal, e não a minha candidatura como independente com Marco Almeida, na justa medida em que essa escolha tinha merecido o apoio da respetiva secção local.

Voltando ao PSD…

…portanto, como me afastei do PSD e da militância, só tenciono regressar quando houver condições no partido, se vierem a haver. Neste momento estão afastados da matriz social-democrata. Se houver uma nova direção e recuperar a matriz social-democrata e que recupere, nomeadamente os princípios básicos da ética política partidária, admito voltar.

Mas está reformado?

Quando digo reforma política é porque de facto estou relativamente reformado. A Assembleia Municipal reúne-se esporadicamente. Tem quatro ou cinco reuniões ordinárias por ano e mais umas quantas extraordinárias. Mas é um trabalho mais vago e muito pouco frequente, sem carácter regular. Escrevo umas coisas de vez em quando sobre a situação política ou comento essa realidade nas redes sociais. Mas tudo isso acontece com muita pouca frequência. E já tenho 72 anos. Não nasci ontem e isso já foi há uns anos. Portanto, sobre essa questão de voltar… não admito nem deixo de admitir. Se as condições existirem e eu estiver para ai virado, para trabalhar seja a nível nacional seja a nível autárquico é uma questão que equacionarei na altura. Não é nada que ambicione.

Que cenário prevê para as eleições autárquicas de 1 de outubro?

É verdade que a grande motivação dos eleitores – apesar de elevados níveis de abstenção – vai em primeiro lugar para o candidato à presidência da câmara. Vota-se muito em função disso. Mas também há um outro setor do eleitorado que vota cegamente por clubismo partidário no emblema do seu clube, no emblema do seu partido.

Sim, mas consegue antever?

O que vai a acontecer agora… Bem, estando o PS claramente em alta e o principal partido da Oposição em baixa, pretendendo o CDS e o BE crescer porque ainda têm uma participação autárquica muito baixa e tendo um PCP muito estável, o resultado das eleições é previsível.

Pensa então que o PS pode ganhar as eleições?

Acredito que não haverá grandes alterações em relação ao cenário anterior [vitória do PS em 2013]. Apesar disso, espero contudo que haja pelo menos uma, aqui em Sintra (risos), onde o Marco Almeida, agora com o apoio do PSD, do CDS e do PPM tem fortes hipóteses de ganhar as eleições depois de as ter perdido por cerca de 1% há quatro anos.

É legítimo fazer-se uma leitura política nacional de umas eleições locais?

Claro que é e faz-se sempre uma leitura política. Agora todos os partidos no final das eleições fazem a leitura política que lhes convém. Normalmente, quando são legislativas ganham todos. Inventam sempre um pretexto para, apesar de terem tido uma debacle, tentarem evidenciar que naquele pequeno pormenor ganharam. Claro que se fará uma leitura nacional. Vamos ver. Essencialmente neste momento aquilo que deve preocupar o PSD é estar em queda nas sondagens. Estar a uma distância muito grande do PS nas sondagens. E o PS em claro desafogo, com quase 10% de vantagem. Isto quando a experiência nos diz que quando um partido está no poder a meio do mandato,  normalmente cai nas sondagens perde as eleições autárquicas e as europeias. É isso que se vê. Mas, desta vez, ver-se-á muito provavelmente o contrário. Ou seja, desta vez, próximo de meio do mandato, António Costa e o PS estão numa posição claramente mais favorável do que o PSD para atrair eleitores.

Ou seja, é previsível que algo aconteça no PSD depois de 1 de Outubro?

Sem dúvida nenhuma. Se o PSD tiver uma debacle, o próprio partido tirará uma conclusão. O PS, se tiver uma vitória clara não deixará de embandeirar em arco e tentar transformar isso em mais um motivo para a sua dinâmica crescente em termos de popularidade.

Como vê a atual maioria parlamentar?

Por uma questão de princípio, logo no início da constituição desta maioria defendi a minha dama e essa era uma coligação PS/PSD.

Porquê?

Porque entendo que o país precisa de reformas estruturais profundas a diversos níveis e elas só são possíveis com o voto conjunto do PSD e do PS no Parlamento. São partidos que votam no mesmo sentido ou têm genericamente posições próximas em matérias como leis eleitorais e reformas nos domínios, laboral, educativo, e da Justiça. Votei, e fi-lo convictamente, em António Costa na expectativa de que fosse por este caminho. Não foi possível e  inventou esta solução. E a solução encontrada surpreendeu-nos a todos. Positivamente. No sentido que pensávamos que ela iria durar pouco , uma vez que a expectativa não era muito grande e a fasquia estava muito em baixo.

Mas já passou ano e meio sobre a posse do Governo…

Sim,  e a verdade é que tem ultrapassado por mérito próprio o que tem surgido pela frente, mas também por demérito das oposições , muito especialmente por demérito do PSD, que não se adaptou a posição de principal partido da Oposição. Já o PS foi crescendo nas sondagem e hoje em dia esta sólido no poder e a maioria, embora com todos os problemas que resultam de divergências insanáveis, como seja a questão europeia, não há duvida nenhuma que tem mantido uma coesão notável  até agora.

Sente que de algum modo possa estar em causa o normal funcionamento das instituições? Que se vive sob ameaças, que há uma democracia simulada, que se tapa a boca das pessoas com uma rolha como foi dito pela Oposição nos últimos dias?

Entendo que a normalidade democrática, passe o pleonasmo, é normalíssima. E não vejo que, se o PSD tiver uma debacle, nem o  PSD nem o CDS tenham, digamos assim, não só razões de queixa, como moralidade para o fazer, se me é permitida a expressão, em virtude da forma como atuaram no antecedente. Admito que pode haver um caso ou outro em que o primeiro-ministro poderia ter respondido no plenário a uma determinada pergunta, mas entendeu não o fazer na altura, eventualmente por razões da delicadeza da matéria. Mas, no essencial, os assuntos baixarem a comissão sem votação ainda bem que assim é. Quantas mais baixarem, melhor. Porque é de facto nas comissões que se consegue fazer o trabalho. Não é no plenário. Agora que tenho tempo e assisto aos debates parlamentares, os quais têm algum interesse pela dialética, pela forma como os deputados expõem as suas ideias, mas não entram no detalhe da apreciação e da elaboração das leis. Isso é nas comissões. O Parlamento nunca trabalhou tão eficazmente, como por exemplo nas comissões de inquérito. O Parlamento nunca trabalhou com tanta animação – e falo aaa propósito dos debates quinzenais, aliás uma reforma muito importante que foi liderada pelo António José Seguro. Portanto, sinceramente, não vejo que isso não seja mais do que um pretexto da Oposição para atacar o Governo.

E como observa o papel da Oposição?

Acho que a liderança da Oposição, o PSD, perdeu enormemente tempo a levantar o tema  ‘nós é que ficámos em primeiro’, ‘nós é que ganhámos as eleições’. Esqueceu-se de que não basta ter mais votos e mais deputados que o segundo maior partido. É preciso constituir uma maioria  para governar. É assim em toda a parte do mundo. E nos termos constitucionais ninguém põe em causa, obviamente, a constituição desta maioria, embora possa não gostar dela. Como eu não gosto… embora admita que esteja coesa e a funcionar e os indicadores da governação sejam positivos, em regra. Portanto, o PSD nunca se assumiu como oposição com ideias concretas, com alternativas concretas, palpáveis e realizáveis comparativamente à estratégia e à política do Governo. E a prova disso é que, em termos de sondagens, é o eleitorado quem manda nesta história de ajudar a constituir ou a desfazer maiorias. E os dados têm favorecido o PS e desfavorecido o PSD.

Então, espera-se que a maioria se desgaste ou altera-se a forma de fazer oposição?

Até julgo que no ultimo mês há alguns sinais de vontade de alterar essa estratégia. Deixou de se invocar aquela história absolutamente grotesca de que vem aí o inferno, o caos e o diabo. Entretanto, os índices estavam a  mostrar melhorias. Depois, colou-se a essa melhoria, dizendo: ‘Isto está melhor, mas já vinha a melhorar no nosso tempo’. Tudo bem. É um argumento interessante e que mostra que há uma certa colagem ao sucesso do Governo e que parece haver uma certa oscilação em relação àquele posicionamento inflexível, teimoso e exasperante de criticar o Governo só pelo facto de existir. E por, de facto, ter aquela maioria.

Como vê Marcelo Rebelo de Sousa Presidente? Está a surpreendê-lo? Este era o caminho expectável?

Era expectável. Porque eu não acreditava que ele, com aquela idade – é bastante mais novo do que eu – fosse mudar de feitio. Ele é exatamente como Presidente da República aquilo que é como pessoa. Ele não começou agora a ir à Praia do Peixe [Cascais] tomar banho à tarde. Era eu presidente da Câmara e tinha o gabinete que dava para a praia. E o Marcelo lá ia com a sua toalha, conversava com os velhinhos, falava com as pessoas que ali estavam, tomava o seu banho.  Ele é exatamente o que sempre foi. Portanto, é naturalíssima esta atitude. Ainda hoje (quinta-feira) estive com ele no Estoril Open em ténis. Foi dar uma volta pelo stands. Mas não se limitou a cumprimentar os responsáveis pelas grandes empresas que financiam o torneio, cumprimentou todos os funcionários. É de uma simpatia irradiante e isso cai bem no eleitorado e cai bem nos seus amigos.

É daqueles que dizem que este Presidente contribuiu muito para distender aquela atitude que os portugueses carregavam durante e no pós-troika? Que o Presidente tem sido um bom suporte institucional para esta maioria?

Em primeiro lugar, ele embora vá a todas, como se costuma dizer, é um agente que não assumiu posições que outros assumiram no passado (normalmente num segundo mandato) de usarem a Presidência da República como tribuna para criticar as medidas a, b ou c do Governo ou para lançarem reptos. Ele tem procurado a partir da Presidência outra coisa que são os consensos. Ou seja, uma tentativa para atenuar essa crispação. É claro que também está a ser favorecido pelo facto de haver uma melhoria clara dos índices vários, desde o desemprego ao crescimento económico. Enfim, há de facto uma predisposição mais otimista do povo português em relação ao futuro. E isso também ajuda à distensão das situações mais radicais que existiam no passado. A agressividade que existe na política é apenas no Parlamento. Fora daí, não há motivo de preocupação absolutamente nenhum,  até porque temos a sorte de não termos extrema-direita.

Pensa então que Marcelo e Costa são, neste contexto, uma boa dupla para o país?

Claro que sim. Qualquer dos dois está a cumprir muito bem o seu papel. Posso discordar desta medida do Governo, desta solução maioritária, mas tenho de reconhecer que quer um quer outro têm obtido ganho de causa. A popularidade de Marcelo é absolutamente estratosférica. E a própria popularidade do Governo e a intenção de voto no partido do Governo depois destes meses são indicadores claros de que as pessoas estão felizes e contentes com isto.

Conhecendo-o, acredita que Marcelo irá para um segundo mandato?

Apostava aqui qualquer coisa bastante valiosa em como ele, salvo qualquer percalço, vai gostar de exercer este cargo e que não vai querer regressar à vida de um ex-Presidente que, diga-se, deve ser um bocadinho chata. E que recandidatar-se-á para mais um mandato de cinco anos. Tudo indica isso. Porque a alternativa para um ex-Presidente, tendo em conta o desenho do nosso sistema político, é muito fraca para as aspirações de Marcelo e para a maneira de ele estar na política.

Pensa que o PSD, apesar de algumas críticas, apoiará Marcelo se este se recandidatar?

Não o fazer seria um autêntico harakiri político. É um social-democrata, um ex-líder do PSD e a manter estes níveis de popularidade não vejo como seja possível recusar esse apoio. Todavia, não está demonstrado que no final do mandato [as presidenciais estão previstas para janeiro de 2021] seja este PSD, esta direção que esteja à frente do partido. Pode estar uma direção mais próxima dessa matriz social-democrata, afinal mais próxima do Presidente.

Como vê o Brexit?

Uma iniciativa disparatada do Reino Unido. Vai trazer-lhe grandes problemas. E não só económicos e financeiros. Vamos ver o que vai passar-se com a Escócia e a Irlanda do Norte. Acredito que já haja arrependimento. Mas chegou-se a um ponto de não retorno. Espero que sejam respeitados os direitos, liberdades e garantias da população residente não nacional e que o Reino Unido cumpra todos os compromissos assumidos que se prolongam por um período posterior à saída da União Europeia.

E Donald Trump?

Estes primeiros 100 dias confirmam que é um populista, um mentiroso compulsivo, um xenófobo e um impreparado para o exercício das funções. É um perigo para o mundo, tendo em atenção a potência que os Estados Unidos são, mas é também um perigo para o próprio país. Espero que a estrutura do Partido Republicano, a mais moderada, possa atenuar e minimizar  no Senado e no Congresso eventuais disparates que o Presidente se proponha fazer.

E as presidenciais francesas?

Foi muito importante Emmanuel Macron vencer a primeira volta e é muito importante também ver que todos os estudos de opinião atribuem uma clara e forte vantagem face à candidata da extrema-direita, Marine Le Pen. Estou feliz por ver que a derrota da extrema-direita vai acontecer e haverá uma vitória muito expressiva de Macron. Votaria sempre em Macron. Na primeira e na segunda volta, para derrotar a extrema-direita. E o dia seguinte também é muito importante para reforçar essa derrota. Há umas sondagens que apontam já às legislativas e o movimento que apoia Macron aparece também muito bem posicionado. Tudo indica que, para além da derrota da extrema-direita, Macron conseguirá obter um resultado confortável frente a socialistas e a republicanos.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×