6/12/19
 
 
Vereador do PCP diz que foi detido porque alguém o indicou como "alvo”

Vereador do PCP diz que foi detido porque alguém o indicou como "alvo”

Facebook João Porfírio 02/05/2017 15:47

Clemente Alves contou que foi atirado ao chão e levado algemado para a esquadra

O vereador do PCP da Câmara de Cascais, que esta manhã foi detido junto a uma obra, acredita que alguém o indicou à PSP como “alvo” e garante só ali ter estado para ajudar a população a obter esclarecimentos.

Clemente Alves disse ao SOL que a população está “indignada” com as obras, para a construção de um parque de estacionamento, que estão a ser feitas numa zona que, segundo o vereador, é de reserva ecológica nacional.

O vereador alegou que a sua presença junto aos trabalhos se deve ao convite de alguns populares, que já promoveram uma petição com um pedido de esclarecimento sobre a obra, com mais de 500 assinaturas.

Clemente Alves, também candidato à presidência da Câmara de Cascais nas autárquicas de outubro, contou que se identificou “como cidadão e como vereador”, como requisitado pela PSP, e insistiu saber o porquê da presença policial.

“Foi-me dito: ‘não tem nada a ver com isso’ e ‘saia daqui’. Ao mesmo tempo que diziam isto e me empurravam”, garantiu ao SOL, acrescentando que o atiraram ao chão e o levaram algemado para a esquadra da PSP.

“Fui derrubado, porque eu era o alvo, alguém indicou a pessoa do vereador como alvo a ser detido, porque alegadamente estaria ali a opor-me à concretização da obra , à movimentação de máquinas, o que não corresponde à verdade”, sublinhou ainda Clemente Alves.

No local terão estado elementos da câmara, mas, segundo o comunista, estes não “se dirigiram à população. Apenas intervieram para chamar a polícia”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×