19/9/19
 
 
EUA. Antigo conselheiro de Trump aceita falar, mas apenas sob imunidade
ROBYN BECK/AFP

EUA. Antigo conselheiro de Trump aceita falar, mas apenas sob imunidade

ROBYN BECK/AFP Flynn foi um dos primeiros e principais apoiantes de Donald Trump Jornal i 31/03/2017 20:34

A Casa Branca garante que não está preocupada com as possíveis declarações de Mike Flynn, mas as suspeitas amontoam-se.

Mike Flynn afirma que está disposto a prestar depoimentos à equipa de congressistas que investiga possíveis ligações da campanha de Donald Trump ao governo russo, mas diz que só o fará se lhe for garantida imunidade. Um pedido que, para já, lhe será negado.

O antigo conselheiro da Casa Branca para a Segurança Nacional foi demitido menos de um mês depois de tomar posse, ao descobrir-se que esteve em contacto com o embaixador russo e, ao telefone, lhe deu a entender que o novo governo podia abrandar as sanções a Moscovo.

“Nenhuma pessoa razoável, que pode ter o benefício de um conselheiro legal, se submeteria a um interrogatório tão politizado e com contornos de caça às bruxas como este sem ter garantias de que não seria injustamente julgado”, disse o seu advogado na noite de quinta.

Os pedidos de imunidade em depoimentos ao Congresso não são incomuns. O “Washington Post” escrevia esta sexta-feira que assistentes de Hillary Clinton fizeram o mesmo no caso do seu servidor privado nos tempos em que era secretária de Estado.

Se o pedido de Flynn faz soar alarmes na Casa Branca, a equipa de Donald Trump não o admite. O próprio presidente escreveu no Twitter que apoia a decisão de Flynn, uma vez que entende que a investigação às suas ligações russas não passa de uma “caça às bruxas” lançada por jornalistas e democratas.

A Casa Branca, porém, vê-se envolvida numa teia cada vez mais intrincada de suspeitas. E não só em torno das suas ligações aos serviços de espionagem russos que tentaram influenciar as eleições de novembro. Há também dúvidas relacionadas com a própria investigação no Congresso.

O “New York Times” e o “Washington Post” revelaram esta semana que o militante de topo do Partido Republicano responsável pela investigação do Congresso à campanha de Trump, Devin Nunes, tem estado em contacto com a Casa Branca, com quem parece estar a orquestrar uma estratégia de defesa contra a própria investigação que ele conduz com outros congressistas – supostamente imparcial.

O “Guardian”, por sua vez, revela esta sexta-feira que os responsáveis pelos serviços de espionagem americanos e britânicos se mostraram preocupados com a nomeação de Mike Flynn ainda antes de ele ser apontado conselheiro por Donald Trump, fazendo referência às conhecidas ligações com o Kremlin e “uma mulher” próxima dos serviços de espionagem russos.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×