2/12/20
 
 
Cristas: “Núncio há-de ter tido as suas razões”

Cristas: “Núncio há-de ter tido as suas razões”

Margarida Davim 13/03/2017 09:40

Um ano depois de ter chegado à liderança do CDS, Assunção Cristas assinala a data com uma entrevista ao Público, no rescaldo de se saber que Paulo Núncio esteve envolvido na criação de 120 empresas na Zona Franca da Madeira e que foi advogado da Petróleos de Venezuela entre 2008 e 2010, uma das empresas que fez transferências para offshores enquanto esteve no Governo. A polémica não faz, contudo, Cristas recuar na defesa do centrista que foi secretário de Estado dos Assuntos Fiscais de Passos Coelho.

Assunção Cristas acredita mesmo que Paulo Núncio “há-de ter tido as suas razões, mas também já assumiu que provavelmente deveria ter feito de outra forma” quando decidiu não autorizar a Autoridade Tributária a publicar as estatísticas relativas às transferências para paraísos fiscais entre 2011 e 2014.

Em entrevista ao Público, a líder do CDS desculpa até as várias versões da história que Núncio foi dando à medida que o caso se foi desenrolando nas últimas semanas. “Isso é um problema da memória que trai as pessoas. As pessoas falam sem às vezes irem ver todos os detalhes e quando vão vê-los percebem que se enganaram. Paulo Núncio, apesar de tudo, assumiu que não tinha sido assim, retirou além do mais consequências políticas disso, o que também não é muito vulgar na nossa cena política”, defende Assunção, que continua a achar que “o país deve muito” ao ex-secretário de Estado.

“Não gosto de ser injusta e de ir atrás da corrente e do sabor dos tempos. Paulo Núncio fez um trabalho que tem de ser reconhecido. Muitas vezes terá errado, como todos erramos. Com certeza que muitas vezes preferiria ter feito de outra maneira e não teve condições”, argumenta Cristas, que acha que o centrista cumpriu uma missão difícil no Governo que integrou e que isso não pode ser esquecido.

“A pessoa que mais dificuldade teve em participar nesse Governo foi porventura Paulo Núncio, porque se viu a fazer o contrário do que muitas vezes tinha defendido no que diz respeito à redução da carga fiscal. Recordo-me — e para o CDS foi especialmente doloroso e para o Paulo Núncio foi certamente superlativamente doloroso — de ter defendido sempre uma diminuição dos escalões do IRS para baixar impostos e depois ela ter acontecido para aumentar impostos. Foi muito doloroso”, declara a líder centrista, que destaca o papel do ex-governante no combate à fraude à evasão fiscal.

De resto, Assunção Cristas não aceita a ideia de que a participação de Paulo Núncio no caso dos offshores esteja a prejudicar o seu partido.

“Paulo Núncio percebeu que era uma coisa que tinha que ver essencialmente com responsabilidades diretas suas. Houve alguma confusão, mas creio que, neste momento, está esclarecida com as explicações dadas no Parlamento e que mostraram que houve um sistema informático que falhou. Somos os primeiros, e Paulo Núncio também, a ter todo o interesse em perceber o que se passou, por que é que se passou, doa a quem doer”, afirma.

Recorde-se que o PS decidiu chamar novamente Paulo Núncio à Comissão de Orçamento e Finanças depois de este fim de semana se ter sabido que enquanto advogado ajudou a criar centenas de empresas na Zona Franca a Madeira -  o único paraíso fiscal em relação ao qual expressou dúvidas quanto à publicação de estatísticas sobre transferências – e que deu um parecer à Petróleos da Venezuela, uma empresa cliente do BES cujas receitas serão parte substancial dos 7,8 mil milhões de euros transferidos pelo banco de Ricardo Salgado para o Panamá no período em que o centrista foi o responsável pelos Assuntos Fiscais.

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×