28/5/20
 
 
A carta que pode mudar o jogo em Lisboa
Passos Coelho recebeu uma carta de Mauro Xavier

A carta que pode mudar o jogo em Lisboa

Passos Coelho recebeu uma carta de Mauro Xavier João Girão Sebastião Bugalho 26/02/2017 12:15

O presidente da concelhia do PSD/Lisboa mudou de opinião e deixou a possibilidade de apoiar Assunção Cristas em aberto para a Câmara Municipal. Decisão final com Passos.

Alguém virou o tabuleiro nas eleições autárquicas deste ano para Lisboa. Quem é esse alguém? Mauro Xavier. 

O líder do PSD/Lisboa escreveu uma carta ao presidente do Partido Social Democrata, Pedro Passos Coelho, e ao líder da distrital lisboeta, Miguel Pinto Luz, onde admitia que, face à situação atual, pode não haver outra alternativa senão apoiar Assunção Cristas para a Câmara Municipal da capital. 

A líder do CDS-PP anunciou  a sua candidatura quando o PSD ainda julgava ser possível convencer Pedro Santana Lopes e, depois do ‘não’ do Provedor da Santa Casa da Misericórdia, os sociais-democratas ficaram - e estão - em problemas para conseguir um candidato capaz de fazer frente a Fernando Medina, o atual presidente da Câmara de Lisboa, do PS. 

Durante todo o seu mandato, Mauro Xavier manteve uma posição contrária a qualquer hipótese de coligação pré-eleitoral com o CDS, preferindo falar em acordos pós-eleitorais. 

No entanto, na reunião da comissão política da concelhia realizada esta quinta-feira, o líder do do PSD/Lisboa fez saber que escrevera a Passos, embora não revelando o conteúdo da carta, que considerou «pessoal».

Tal provocou algum alarme em certos presentes, que desconhecendo o conteúdo da missiva não a viam com bons olhos. 

No entanto, o facto de Mauro Xavier ter abandonado gradualmente uma posição taxativamente contra o apoio a Cristas veio descansar uma maioria de presidentes de juntas de freguesia, preocupados com a ausência de candidato do PSD e com os perigos de um resultado eleitoral menos sólido. 

Depois de Passos Coelho vir dizer, há cerca de um mês, que não haveria coligação com o CDS em Lisboa, Assunção Cristas já veio afirmar que, respeitando a posição do seu homólogo e ex-primeiro-ministro, a porta estava «sempre aberta» para aquele que é o parceiro tradicional dos centristas no centro-direita.

A concelhia do PSD/Lisboa já havia lançado recentemente uma deliberação que defendia a possibilidade de qualquer cenário - candidato próprio, candidato independente ou coligação com outro partido -  comprovando que a mudança de posição de Mauro Xavier é mais gradual que súbita.

A coordenação autárquica dos sociais-democratas nunca descartou verdadeiramente um apoio a Assunção Cristas em Lisboa, embora fonte próxima do processo admita ao SOL, que «será difícil». 

O CDS e o PSD têm um acordo-quadro para as autárquicas deste ano que, segundo os responsáveis de cada parte, conseguirá mais coligações que as feitas em 2013.

Esta semana, o i já noticiou que Passos Coelho deu ordens aos militantes sociais-democratas para não atacar a candidatura de Assunção Cristas à Câmara de Lisboa, assim como quer evitar confrontos com os centristas em todas as autarquias em que PSD e CDS concorram separados. A regra que Passos impôs caiu mal no PSD-Lisboa, consciente que não atacar Cristas é uma sentença de morte. O programa redigido por José Eduardo Martins já foi entregue à concelhia, mas só será público quando se souber quem é o candidato.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×