18/10/17
 
 
Diogo Costa Amarante vence Urso de Ouro em Berlim

Diogo Costa Amarante vence Urso de Ouro em Berlim

Cláudia Sobral em Berlim 18/02/2017 18:12

Um ano depois de "Balada de Um Batráquio", de Leonor Teles, o Urso de Ouro das curtas volta a ser entregue a um filme português, "Cidade Pequena". 

“Cidade Pequena”, de Diogo Costa Amarante, venceu ao início da noite deste sábado o Urso de Ouro das curtas em Berlim. Filme que chegou à Berlinale sem apoios, com a irmã e o sobrinho do realizador como protagonistas de uma história construída a partir de um episódio real: o dia em que Frederico aprendeu na escola que quando o coração pára de bater morremos. Ponto de partida para uma viagem ao mundo emocional de Frederico e da sua mãe, o dia-a-dia apresentado em quadros cuidadosamente compostos, como lembrava na apresentação do filme a curadora da secção, Maike Mia Höhne. Urso de Ouro da competição oficial, cujo júri era presidido por Paul Verhoeven, foi para o húngaro "Testről és lélekről (On Body and Soul)", de Ildikó Enyedi.

Já no ano passado o Urso de Ouro das curtas tinha ido para um filme português, "Balada de Um Batráquio", de Leonor Teles. E nesta edição, que termina este sábado com a exibição dos filmes vencedores, Portugal era, depois da Alemanha, o país mais representado. Além de "Cidade Pequena", competiam na Berlinale Shorts ainda "Coup de Grâce", de Salomé Lamas, "Os Humores Artificiais", de Gabriel Abrantes, que saiu desta edição da Berlinale como nomeado das curtas para os European Film Awards 2017. Dois realizadores que já tinham estado presentes em Berlim no ano passado, no Forum e na competição das curtas, a que se juntava ainda João Salaviza, com "Altas Cidades de Ossadas", depois de em 2012 ter vencido também ele o Urso de Ouro da mesma competição, com "Rafa".

"Estou completamente sem palavras", disse Diogo Costa Amarante quando subiu ao palco na cerimónia da entrega dos prémios para receber o Urso de Ouro das mãos de Christian Jankowski, presidente do júri da competição das curtas, para depois agradecer à sua família e à irmã e ao sobrinho, os protagonistas do filme. "Não consigo dizer mais nada. Obrigado”.

Em entrevista ao i após a estreia oficial de "Altas Cidades de Ossadas", de João Salaviza", a curadora da secção falava na extraordinária qualidade das curtas-metragens portuguesas. "A certa altura tivemos que parar, não podíamos ter uma competição só de filmes portugueses", sorriu Maike Mia Höhne. "Porque podíamos ter selecionado ainda mais."

O Urso de Prata das curtas (Prémio do Júri) foi para o mexicano “Ensueño en La Pradera”, de Esteban Arrangoiz Julien, e o prémio Audi, no valor de 20 mil euros, para “Street of Death”, do libanês Karam Ghossein. O júri atribuiu ainda uma menção honrosa a “Centauro”, do argentino Nicolás Suárez.

A lista completa dos prémios da Competição da 67.ª edição da Berlinale:

Urso de Ouro (Melhor Filme)

“Testről és lélekről (On Body and Soul)”, de Ildikó Enyedi

 

Ursos de Prata

Grande Prémio do Júri: “Félicité”, de Alain Gomis

Prémio Alfred Bauer: “Pokot”, de Agnieszka Holland

Melhor Realizador: Aki Kaurismäki, por “Toivon tuolla puolen (The Other Side of Hope)”

Melhor Atriz: Kim Minhee, por “Bamui haebyun-eoseo honja (On the Beach at Night Alone)”, de Hong Sangsoo

Melhor Ator: Georg Friedrich, por “Helle Nächte (Bright Nights)”, de Thomas Arslan

Melhor Argumento: Sebastián Lelio e Gonzalo Maza, por “Una mujer fantástica”, de Sebastián Lelio

Contribuição Artística: Dana Bunescu, por “Ana, mon amour”, de Călin Peter Netzer

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×