24/2/17
 
 
Vítor Rainho 17/02/2017
Vítor Rainho

vitor.rainho@newsplex.pt

Se a política seguisse o futebol, tudo seria diferente

Hoje, tudo é diferente e ninguém imagina Cristiano Ronaldo a chegar a um treino completamente bêbedo ou a falhar um treino por estar de ressaca. 

Se há um campo onde Portugal melhorou estrondosamente em relação ao passado é o futebol. Quem acompanhe minimamente os melhores programas desportivos feitos pela Sport TV, seja em reportagens humanas ou em conversas à volta de uma mesa a recordar outros tempos, percebe facilmente porque gerações atrás de gerações nunca conseguiram ganhar nada a nível internacional. Tirando o Mundial de 66, onde ficámos em terceiro, atravessámos depois um longo deserto de vitórias a nível de seleção e mesmo de clubes, e só o FC Porto conseguiu emergir em 1987.

Os jogadores não tinham a mínima noção de profissionalismo, apesar de alguns serem altamente talentosos; os treinadores, na sua maioria, pactuavam com as noitadas e estroinices dos craques; e as vitórias eram só morais. Quando oiço antigos jogadores contarem que, no tempo deles, os mais novos nem direito a cacifo tinham e que não podiam tocar nos capitães nos treinos; que treinadores como Mário Wilson permitiam que os mais consagrados saltassem treinos; que os atletas dos dois principais clubes nem dirigiam a palavra uns aos outros na seleção; que muitas vezes chegavam todos aos treinos da parte da tarde completamente ébrios, entende-se porque estivemos tantos anos longe do pódio. Não sou fã de Carlos Queiroz, mas reconheço que o trabalho que fez nas camadas jovens foi fundamental para a viragem de mentalidades.

Hoje, tudo é diferente e ninguém imagina Cristiano Ronaldo a chegar a um treino completamente bêbedo ou a falhar um treino por estar de ressaca. Vem esta conversa a propósito de um campo onde não melhorámos grande coisa desde abril de 1974. A política, regra geral, continua a ser servida por atores secundários com vistas curtas que adoram joguinhos de bastidores e ter os seus minutos de fama na televisão. Se Portugal tivesse evoluído na política como o fez no futebol, de certeza que os portugueses viveriam muito melhor. E não é por sermos um país pequeno que devemos pensar o contrário. Alguém fala assim do Luxemburgo, da Bélgica ou da Holanda? 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×