20/11/19
 
 
Novo Banco. BE e PCP querem nacionalização. PSD recorda BPN
Miguel Tiago

Novo Banco. BE e PCP querem nacionalização. PSD recorda BPN

Miguel Tiago Sara Matos Rita Porto 12/01/2017 17:11

À esquerda defendeu-se o controlo público do banco enquanto o PSD relembrou o caso BPN

O Bloco de Esquerda, o PSD e o PCP apresentaram, esta quinta-feira, requerimentos para debater a “situação do Novo Banco” no Parlamento. À esquerda defendeu-se o controlo público do banco enquanto o PSD relembrou o caso BPN.

A primeira intervenção coube a Mariana Mortágua. A bloquista defendeu a nacionalização do banco, argumentando ser a “única solução que protege o Novo Banco e o país”.

A deputada referiu também que, caso se venda o Novo Banco, “praticamente 70% da banca portuguesa relevante ficará em mãos estrangeiras”. Uma “ideia errada e perigosa”, mas que piora caso seja vendido a “fundos abutre como a Apollo, a Lone Star ou a Fosun”.

Recorde-se que o Banco de Portugal considerou, na semana passada, a Lone Star a entidade mais bem colocada para comprar o banco.

Ainda assim, a bloquista assume “dificuldades e exigências” no processo de nacionalização. “A maior dificuldade está nas pressões da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu”, defendeu.

“A grande exigência está em não repetir a má nacionalização do BPN”, disse Mariana Mortágua, sublinhando que a nacionalização do Novo Banco “exige transparência”. “Todos os dados disponíveis apontam para que a nacionalização seja a opção menos penalizadora para o erário público, com uma vantagem inegável: uma vez pago, o Estado controla o seu banco e pode geri-lo ao longo do tempo”.

Nacionalização, mas não temporária

Também o PCP se mostrou a favor da nacionalização, de modo a defender “os interesses nacionais” e “os trabalhadores”. “A resposta a dar aos problemas financeiros não se encontra na solução que gerou o problema, ou seja, na gestão privada e no alheamento do Estado”, disse o deputado Miguel Tiago

Ainda assim, ressalvou a importância de não se fazer uma “nacionalização temporária”, como foi o caso do BPN. Tal solução, defendeu o deputado, não seria “para o Estado e para os portugueses mais que assumir os prejuízos passados para entregar os lucros futuros”.

O PCP pretende, assim, a integração do Novo Banco “na esfera pública”, para haver uma “valorização a longo prazo” do banco.

“Sempre que o Governo é chamado a agir, age mal”

Para o PSD, nacionalizar o banco seria “andar para trás” e “repetir erros” do passado e recordou o caso do BPN. “Quase nove anos depois, os mesmo governantes socialistas parecem estar a tratar da reposição do filme da nacionalização de um banco”, afirmou o deputado Marco António Costa.

“Sempre que o Governo é chamado a agir, age mal”, afirmou ainda o social-democrata, dando como exemplo a “venda a preço de saldo” do Banif e a “inenarrável novela” da Caixa Geral de Depósitos.

“A aventada hipótese de uma experiência de nacionalização provisória do Novo Banco, seguida de venda a um privado já foi tentada no BPN e custou milhares de milhões aos contribuintes”, defendeu Marco António Costa, sublinhando que cabe ao Governo “com discrição e eficácia gerar condições para a venda do banco, garantindo a salvaguarda dos contribuintes”. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×