12/7/20
 
 
Lisboa. PSD em negação sobre possível não de Santana Lopes

Lisboa. PSD em negação sobre possível não de Santana Lopes

Diana Tinoco Margarida Davim 28/11/2016 08:02

PSD não tem alternativa para a Câmara de Lisboa, apesar de Pedro Santana Lopes estar a inclinar-se para anunciar que não será candidato em dezembro

O PSD nem quer ouvir falar na possibilidade de Pedro Santana Lopes não ser candidato à Câmara de Lisboa em 2017. O “SOL” avançou no sábado que Santana Lopes estaria a preparar-se para dizer um não definitivo ao regresso a Lisboa em dezembro, mas as hostes sociais-democratas preferem aguardar por um anúncio final do putativo candidato. Uma coisa é certa: não há um plano alternativo.

“O plano A é o Pedro, o B é o Santana e o C é o Lopes”, ironiza um dirigente social-democrata, explicando que o partido continua à espera de Santana Lopes, mesmo que haja cada vez mais sinais de que o antigo presidente da câmara não será candidato. “Não temos alternativa”, reconhece a mesma fonte.

Nas estruturas locais do PSD ninguém quer comentar a possibilidade de Santana Lopes decidir não apresentar uma candidatura a Lisboa, esperando que o “keep cool” se mantenha por mais tempo, apesar de o “SOL” ter noticiado que será em dezembro – e não em março, como estava inicialmente previsto – que o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia desfaz o tabu sobre a capital.

CONVENCER SANTANA De resto, um dia antes de o “SOL” revelar que Santana se inclina para o não, o coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, dizia ao i acreditar ser possível convencer o ex--autarca a voltar a concorrer pela capital. “Vamos ser capazes de convencer Santana”, disse Carreiras em entrevista à edição de fim de semana do i, deixando pela primeira vez clara a ideia de que o PSD aposta todas as fichas neste putativo candidato, apesar das suas hesitações.

Alguns sociais-democratas acreditam que, quanto mais tempo passar, mais Pedro Santana Lopes fica refém das expectativas que recaem sobre ele. “Cada dia que passa, ele fica mais próximo de um ponto de não retorno”, aponta uma fonte do PSD/Lisboa, que acha que Santana Lopes terá de ponderar o impacto que poderá ter no partido uma decisão de recuo num momento em que não há uma alternativa forte ao seu nome. “Se Pedro Santana Lopes não for a votos a Lisboa, está perdido”, acredita a mesma fonte, que acha que as hostes sociais--democratas dificilmente lhe perdoarão caso não avance e isso se traduza numa pesada derrota do PSD.

Com os mais próximos a pressionar Santana Lopes para marcar terreno para concorrer à liderança do PSD no congresso de 2018, este pode ser um argumento de peso.

Mas também há quem veja nesta hesitação de Santana Lopes mais a vontade de fugir a uma derrota em Lisboa do que a de regressar à liderança do partido. “Santana não pode perder. Tem um estatuto que faz com que lhe fique muito mal ir a votos e perder Lisboa agora”, observa outro social-democrata, que vê o provedor da Santa Casa dar “sinais contraditórios” sobre o que quer fazer e acredita que isso pode estar relacionado com sondagens que não lhe auguram a vitória.

Uma coisa é certa: se Santana Lopes acabar mesmo por descartar a ideia de uma candidatura a Lisboa, restam apenas dois cenários a Pedro Passos Coelho. Ou avança com um candidato que terá poucas hipóteses de ganhar ou se associa à candidatura de Assunção Cristas. Mas nenhuma das possibilidades se afigura fácil para Passos Coelho.

Jorge Moreira da Silva chegou a ser pensado por Passos como uma alternativa, caso Santana Lopes decidisse não avançar. Mas Moreira da Silva parece definitivamente fora de hipótese depois de ter aceitado um trabalho na OCDE que inclusivamente o levou a deixar a direção social-democrata.

MARIA LUÍS É HIPÓTESE Sem Moreira da Silva como possibilidade, a escolha pode recair sobre Maria Luís Albuquerque e há quem no PSD acredite que a ex-ministra das Finanças não seria capaz de recusar o pedido de Passos se fosse preciso ir a votos em Lisboa.

Mas essa também não é uma solução consensual no PSD, já que há quem ache que haveria mais hipóteses de ter um bom resultado apoiando Cristas do que concorrendo com Maria Luís. E Passos Coelho precisa de ter um bom resultado. Depois de, em 2013, o PSD ter tido o seu pior resultado autárquico de sempre, ganhar Lisboa chegará para Passos Coelho cantar vitória e, com isso, tentar calar os críticos internos, e é também por isso que esta disputa ganha tanta importância.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×