16/1/21
 
 
A fotografia em que Costa quis ficar

A fotografia em que Costa quis ficar

João Girão Margarida Davim 19/10/2016 16:52

António Costa não faz nada por acaso. Esta quarta-feira voltou a demonstrá-lo à saída do debate que serviu para preparar o próximo Conselho Europeu. Mal se levantou para abandonar o hemiciclo da Assembleia da República, parou diante do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, o polémico Fernando Rocha Andrade.

O primeiro-ministro deteve-se para cumprimentar Rocha Andrade. Mas fez mais: ficou durante um longo período num caloroso aperto de mão que contém uma importante mensagem política: a posição do secretário de Estado mantém-se intocada dentro do Governo.

A mensagem não é uma surpresa, porque Costa já tinha deixado vários sinais de que não pretendia abdicar de um dos seus mais próximos no Governo e porque em recente entrevista ao Público tinha mesmo elogiado o trabalho de Rocha Andrade na secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, desvalorizando a polémica em torno das viagens pagas pela Galp para ver os jogos do Europeu de Futebol em França.

Mas a imagem não deixa de ser forte, sobretudo no dia em que Rocha Andrade voltou a ressuscitar uma polémica que o Governo tenta encerrar desde agosto.

Rocha Andrade deu uma entrevista ao DN desvalorizando o facto de estar impedido - pelo caso das viagens - de tomar decisões relacionadas com a Galp, afirmando que "todos os membros do Governo carregam consigo uma lista grande de entidades em relação às quais não devem tomar decisões".

A frase foi suficiente para o PSD e o CDS enviarem ao Governo perguntas para perceber quais são as limitações dos membros do Executivo.

E é também por isso que o demorado cumprimento do primeiro-ministro ganha simbolismo, demonstrando que Costa continua a segurar Rocha Andrade, seu amigo há 20 anos.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×