18/9/18
 
 
Ponte de Sor. Embaixador iraquiano disponível para ajudar Rúben Cavaco

Ponte de Sor. Embaixador iraquiano disponível para ajudar Rúben Cavaco

Carlos Diogo Santos 30/08/2016 13:23

Enviou flores para o hospital e um cartão em que dizia estar preocupado. Segundo noticiado ontem, Saad Mohammed Ali também se mostrou disponível para ajudar no que for preciso fazer para que Rúben recupere

Primeiro foram os filhos do Embaixador do Iraque em Lisboa a dizer, em entrevista à SIC, que o pai estava devastado. Agora foi o próprio Saad Mohammed Ali a demonstrar a sua solidariedade para com os pais de Rúben Cavaco, o jovem de 15 anos internado no Hospital de Santa Maria na sequência das agressões de que foi alvo no dia 17 em Ponte de Sor.

Segundo noticiado ontem, o diplomata terá enviado nas últimas horas para Rúben e a sua família um ramo de flores e um cartão onde se mostra disponível para fazer tudo o que for necessário com vista à recuperação do jovem.
A ação de Saad Mohammed Ali surge poucos dias depois de o Ministério dos Negócios Estrangeiros ter formalizado o pedido de levantamento da imunidade diplomática.

O encontro entre o encarregado de negócios da Embaixada do Iraque e o representante português com competência em matéria de imunidades aconteceu na passada quinta-feira, menos de 24 horas depois de o Ministério Público ter anunciado ser “essencial” constituir arguidos os dois gémeos de 17 anos. Em causa, referia uma nota da Procuradoria-Geral da República, estão fortes indícios do crime de tentativa de homicídio.

Enquanto o processo tramita, Ruben Cavaco tem apresentado uma evolução clínica lenta, mas positiva – acordou do coma induzido há uma semana.

De acordo com a edição do “Expresso” deste sábado, que ouviu alguns amigos da vítima, a primeira palavra proferida quando acordou foi: “Carro”. E repetiu-a três vezes.

Terceiro agressor? Após vários dias de investigação, os inspetores da Polícia Judiciária não descartam a hipótese de os irmãos Haider e Ridha estarem acompanhados de um terceiro elemento – que seria ou um segurança ou um motorista – na noite das agressões. A notícia foi avançada este fim de semana pelo semanário “SOL” e dava conta de que a confirmar-se a presença dessa terceira pessoa ficariam respondidas muitas das questões que ainda estão em aberto para a investigação, nomeadamente as que dizem respeito à condução do carro com matrícula do Corpo Diplomático.

Isto porque após a primeira vez em que a GNR foi chamada a intervir naquela madrugada e levou os dois gémeos para casa – bem como o carro do Corpo Diplomático –– os jovens de 17 anos terão regressado à rua e ido de carro até ao local onde Rúben foi violentamente espancado. E há testemunhas que garantem que não eram eles que iam a conduzir.

As perícias à roupa dos dois iraquianos, para testes de ADN, também permitirá perceber se é ou não possível que tenham sido eles os autores das agressões, ou se tiveram ajuda. Ouvidas por aquele semanário, fontes policiais adiantaram que, numa situação deste género, numa localidade do interior, o normal seria que os jovens, menores e filhos de um diplomata, andassem com um motorista, que poderia desempenhar a função de segurança.

“Julgamos que ainda não estão completamente clarificadas todas as circunstâncias do que aconteceu naquela noite”, explicou ao “SOL” uma fonte da PJ conhecedora da investigação, adiantando ser fundamental o levantamento da imunidade diplomática para que se possa ouvir os jovens sobre alguns pontos, nomeadamente para perceber se estavam acompanhados: “Os circunstancialismos são os que sabemos, há uma legislação limitativa. É como obter o depoimento de uma criança, que só pode acontecer com a autorização dos pais”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×