21/7/19
 
 
PCTP/MRPP. Arnaldo Matos diz que acontecimentos em Nice são um “ato legítimo de guerra”

PCTP/MRPP. Arnaldo Matos diz que acontecimentos em Nice são um “ato legítimo de guerra”

Jornal i 19/07/2016 16:38

Fundador do PCTP/MRPP escreve editorial a defender que atos de terrorismo afinal são atos de resistência dos povos oprimidos

Um editorial do Luta Popular, órgão central do PCTP/MRPP, classificou como “um ato legítimo de guerra” o ataque que vitimou mais de 80 pessoas na passada quinta-feira em Nice. O texto, intitulado “resistência não é terrorismo”, está  assinado por Arnaldo Matos, fundador do partido.

“Devemos deixar aqui muito bem esclarecido e estabelecido: os atos de resistência dos povos explorados, oprimidos e agredidos não são atos terroristas; são atos legítimos de guerra, sejam praticados na frente de combate, se houver frente de combate, sejam praticados no interior do país imperialista agressor, como sucedeu nos ataques levados a cabo em Nova Iorque e em Washington, em Paris, em Londres, em Madrid ou em qualquer outro lugar onde o imperialismo possa ser atacado pelos povos agredidos, como ocorreu anteontem em Nice”, escreveu o dirigente.

Para Arnaldo Matos, “a resistência dos povos agredidos não é terrorismo. Terrorismo é a guerra cobarde do imperialismo para explorar, oprimir e rapinar os povos do mundo”.

“Todas as guerras contra o imperialismo são guerras justas, guerras de resistência e acabarão por triunfar”, continuou, acusando “os imperialistas” de promoverem, “através do seu vasto aparelho ideológico, que vai desde as igrejas às universidades e aos órgãos de comunicação social, campanhas ideológicas contínuas, destinadas a fazer passar por justas” essas guerras, e a fazer “passar por injustas as guerras da classe operária e dos povos oprimidos do mundo”.

E prosseguiu: “Assim, todos os atos de guerra do imperialismo, desde o emprego de bombas atómicas aos bombardeamentos aéreos das populações indefesas, ou são escondidos dos olhos dos povos do mundo ou considerados justos e até santificados pelas igrejas, enquanto que os atos de resistência dos povos agredidos e oprimidos são apresentados como atos terroristas, e os atos terroristas dos imperialistas contra os povos indefesos são considerados como justos atos de guerra”.

Para Arnaldo Matos, “atos de guerra como os levados a cabo pelos jiadistas franceses em Paris, Bruxelas e Nice, podem ocorrer brevemente em Portugal praticados por jiadistas dos países” onde estão “tropas portuguesas a atacar povos estrangeiros, designadamente no Afeganistão, no Iraque, no Chade, no Mali, na Somália e na República Centro Africana”, defendendo a retirada dessas forças para assim se “evitar qualquer ato de resistência dos povos oprimidos praticados” em território nacional.

“A classe operária seria uma classe de traidores se não combatesse o imperialismo dominador no seu país e, ainda por cima, achasse que os atos de resistência dos povos oprimidos seriam atos terroristas”, concluiu Arnaldo Matos.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×