17/2/20
 
 
Música. O melhor dos playbacks
Rita Cabaço, ao centro, é Klara, protagonista deste drama

Música. O melhor dos playbacks

Rita Cabaço, ao centro, é Klara, protagonista deste drama DR Miguel Branco 30/06/2016 20:16

O Teatro da Cornucópia atira-se a Frank Wedekind e à desilusão dos nossos tempos, o decair da real função da arte. A encenação de Luís Miguel Cintra estreia hoje no São Luiz Teatro Municipal

Verdi, Schubert, Strauss, Mozart e Wagner são cúmplices silenciosos deste enredo. Cinco bustos que não largam a ação, que tudo testemunham, estão lá quando Klara (Rita Cabaço) é presa por ter engravidado do seu professor de canto (Dinis Gomes), estão lá quando a mãe da estudante (Luísa Cruz) faz um playback estoico e programado - por favor não comparar esta interpretação às performances vistas nos programas da manhã - estão lá e hão de estar, deixar-se ficar. Por outro lado Luís Miguel Cintra, e por consequência toda a estrutura do Teatro da Cornucópia, não é muito de ficar a ver.

Já andava com Frank Wedekind desde a época em que uma epifania o confrontou com um vento distinto, “uma sensação mais moderna”, diz-nos, “do que os seus grandes contemporâneos como o Strindberg, o Ibsen e o Tchekhov”. Está na hora de “Música” - para além dos constrangimentos habituais, elenco reunido, timings, agendas livres de sobreposições - porque a banda aqui presente gosta de pensar, ou, melhor ainda, provocar esse pensamento: “Entusiasmou-me o que nela está contido de reflexão e de pensamento sobre a hipocrisia social, as relações entre os homens serem todas postiças, bem como a relação da arte com a vida, estando as relações dos homens minadas a arte tem muita dificuldade em inserir-se na sua verdadeira função”, conta Cintra. “Música”, peça escrita por Frank Wedekind em 1906, estreia hoje no São Luiz Teatro Municipal, e por aqui fica até 10 de julho.

E neste palco, mais do que nunca, a vida é tramada. Tanto que, sem nos deixar perceber os eventos anteriores, nos joga desilusão fora, a ironia cruel de uma jovem cantora que por um acidente tudo perde. “Só se sabe que em vez de estudar música fizeram troça dela, não sabemos se ela foi para a cama com o professor por chantagem ou se foi vontade, o que é terrível é que isso influencie o curso e que ela não possa continuar a estudar. A própria vocação artística dela aparece de uma maneira muito estranha, é óbvio que ela não gosta muito de cantar, gosta da glória que teria sido ter ido cantar àquele festival”, conta o encenador.

Pensemos no título “Música”, quando tudo o que importa, ou aquilo que acaba por ser relevante nesta história, é tudo menos canto. A atrocidade deste destino está entre o negócio e a forma mais bárbara de se tratar o feminino, a mulher como objeto é sinónimo de desconforto na cadeira. Ou seja, Wedekind sabia o que fazia. O mesmo se pode dizer de Luís Miguel Cintra. Que a “Música” junta momentos pseudomusicais, playbacks que Luísa Cruz faz na perfeição.

Mas não é tudo. Há ainda Ödön von Horváth, dramaturgo austro-húngaro que na sua denúncia do crescimento fascista pela normalização do quotidiano encontrou em “A Hora do Amor” - peça radiofónica que fez a partir de testemunhos de amantes na rua - a sua forma de dizer que nem sempre os manifestos amorosos nos salvam da intempérie. Vai daí e ainda sobra espaço para um programa, espécie de showcase do vazio em que estamos, de rádio feito por João Reixa. “Música” devia ser para todos os ouvidos.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×