25/3/17
 
 
Estalou o verniz entre BE e PCP?

Estalou o verniz entre BE e PCP?

Miguel Silva Margarida Davim 18/05/2016 22:44

Crescem as acusações de "sectarismo" do BE ao PCP e o mal-estar é cada vez mais evidente à esquerda, depois de uma votação que hoje expôs as divergências latentes entre bloquistas e comunistas. Está por ver que efeitos terá esta crise. Mas Costa já veio tentar pôr água na fervura.

O que está em causa?

O glifosato é um herbicída de uso muito comum que entrou recentemente no vocabulário político depois de alguns estudos apontarem efeitos graves para a saúde, sendo considerado potencialmente cancerígeno e causador de doenças como a infertilidade. O BE pegou nesta bandeira e já apresentou duas propostas para eliminar este químico. A primeira pedia a sua proibição total e teve a abstenção do PS e do PCP. A segunda, votada hoje, foi chumbada com os votos contra de PCP, PSD e CDS e os votos a favor de PS, BE, PEV e PAN.

A questão ganhou contornos políticos precisamente por causa desta votação de hoje que apanhou de surpresa os deputados bloquistas. "No mínimo, esperamos uma votação igual", dizia-se no BE antes de contados os votos, quando a discussão ainda decorria no plenário, numa alusão à proposta "mais radical" que tinha merecido a abstenção de socialistas e comunistas, preocupados com o impacto da erradicação do glifosato no mundo rural.

Desta vez, a proposta tinha sido afinada e o BE pretendia apenas proibiria uso da substância em meio urbano, já que ela é muitas vezes usadas por autarquias e freguesias para tirar ervas daninhas dos passeios.

O chumbo do PCP foi, por isso, recebido com "supresa", rapidamente expressa pelo deputado autor do projeto do BE, Jorge Costa, em declarações aos jornalistas.

Escassas horas mais tarde, Nelson Peralta - biólogo e dirigente bloquista - usa o site esquerda.net para ir mais longe nas críticas aos comunistas e acusa-os mesmo de "sectarismo", expondo o que considera serem as contrações atitude do PCP relativamente ao glifosato.

Os comunistas justificaram o voto contra com a necessidade de mais estudos, mas a explicação não colhe no BE.

Dirigente do BE acusa PCP de sectarismo 

"O que mudou? É que agora o seu voto fazia a diferença. Há um mês, na proposta mais ampla, o voto do PCP não era decisivo. Hoje, teria bastado o PCP repetir a abstenção para viabilizar o projeto-lei, uma vez que o PS anunciou o seu voto favorável. Quando o seu voto poderia mudar a vida das pessoas, o PCP optou por deixar à União Europeia a decisão que podia ser tomada em Portugal. A UE decide esta quinta-feira sobre a renovação da licença de glifosato que terminará a 30 de junho e a expectativa é baixa sobre a proteção da saúde pública", escreve o bloquista que lembra até as posições que o PCP tem tido nas regiões autónomas para expor a mudança de atitude que tem para Nelson Peralta uma leitura política.

Ora, nas Assembleias Legislativas Regionais dos Açores e da Madeira, o PCP apresentou propostas para a proibição total do glifosato. Em várias Assembleias Municipais, incluindo Lisboa e Almada, o PCP tem votado pela proibição do glifosato em espaço público. A Câmara Municipal de Évora, presidida pelo PCP, anunciou que já deixou de usar glifosato. Ou seja, o PCP não chumbou o projeto-lei porque a ideia era má. A proposta era má porque vinha do Bloco. É caso para dizer que o sectarismo faz mal à saúde", ataca o dirigente do BE.

O artigo é a expressão mais clara de uma tensão cada vez mais óbvia entre bloquistas e comunistas.

No espaço de poucos dias é a segunda vez que um bloquista acusa o PCP de sectarismo. A mesma acusação tinha sido feita pelo histórico bloquista Fernando Rosas em entrevista à Antena 1.

“É um partido com tiques de sectarismo e de exclusivismo na vida política que, espero, que com o tempo, passem", dizia Rosas há uma semana à jornalista Maria Flor Pedroso.

Costa desvaloriza divergências 

Resta saber que consequências terá para o funcionamento da geringonça este estalar de verniz entre BE e PCP.

Certo é que hoje, na apresentação da sua moção ao Congresso do PS, António Costa voltou a lembrar que as divergências entre os partidos que apoiam o Governo são naturais e que o cimento que os une está no respeito dos acordos firmados. 

Ou seja, por António Costa, o glifosato não passará de ruído que não encravará a geringonça.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×